EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Apenas um país da UE considera que governo faz suficiente para combater crise climática

A reciclagem é uma das ações climáticas individuais mais populares na UE.
A reciclagem é uma das ações climáticas individuais mais populares na UE. Direitos de autor Pexels
Direitos de autor Pexels
De  Rosie Frost
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

93% dos europeus acredita que alterações climáticas são um problema mundial grave

PUBLICIDADE

Mais de seis em cada dez cidadãos da União Europeia (UE) dizem ter tomado medidas para combater as alterações climáticas nos últimos seis meses.

A conclusão é de um inquérito levado a cabo pela Comissão Europeia, a mais de 26 mil pessoas de diferentes grupos sociais e demográficos em todo o bloco europeu.

O estudo revelou que a grande maioria dos europeus - 93% - acredita que as alterações climáticas são um problema global grave.

As alterações climáticas são o problema mais grave que o mundo enfrenta atualmente, disseram os inquiridos de sete países: Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Irlanda, Malta, Países Baixos, Áustria, Finlândia e Suécia. Para 16 dos 27 Estados-membros da UE, o problema está no top três dos mais graves.

Onde há mais europeus a tomar medidas individualmente para preservar o ambiente?

A percentagem mais elevada de pessoas que tomam medidas pessoais foi registada no Luxemburgo (82%), seguido pela Finlândia e pela Suécia (81% cada).

Os países onde o número mais baixo de pessoas afirmou agir individualmente para combater a emergência climática foram a Polónia (39%), a Bulgária (35%) e a Roménia (29%).

No Luxemburgo, diminuir os resíduos e separá-los para reciclagem é a ação mais popular. Segue-se a redução do consumo de artigos descartáveis, como os sacos de plástico, e a compra de mais alimentos biológicos.

Pexels
Reduzir o uso de plástico é uma ação climática popular por toda a UE.Pexels

A reciclagem também é popular entre os inquiridos na Finlândia e na Suécia, seguida da diminuição do uso de embalagens.

A utilização de alternativas ecológicas ao automóvel particular, como andar de bicicleta ou andar de transportes públicos, é a segunda ação climática mais comum nestes dois países.

Quem, segundos os europeus, deve tomar mais medidas em relação às alterações climáticas?

Apesar de muitos optarem por mudar o estilo de vida num esforço mais ecológico, apenas 35% dos europeus se consideram responsáveis.

A maior parte acredita que a UE, os governos nacionais, as empresas e a indústria são responsáveis por combater as alterações climáticas.

Mais de dois terços dos cidadãos da UE acham que o governo do seu país não está a fazer o suficiente em relação à emergência climática. Este valor diminuiu 8% desde a primavera de 2021.

Em todos os Estados-membros, com exceção de um, a Finlândia, os inquiridos têm maior probabilidade de dizer que o seu governo não está a fazer o suficiente.

As pessoas estão otimistas sobre o que a melhoria da ação climática do bloco poderia fazer. Três quartos dos participantes no estudo pensam que a ação climática da UE poderá conduzir a inovações que ajudarão as empresas.

"Os europeus compreendem a ameaça das alterações climáticas e continuam a apoiar a ação climática da UE, dos governos nacionais, das empresas e dos indivíduos", sublinha Frans Timmermans, responsável pela política ambiental de Bruxelas.

"Os resultados deste inquérito recordam-nos claramente que o apoio popular ao avanço do Pacto Ecológico Europeu continua a ser tão elevado como sempre. Cabe aos políticos e aos decisores políticos atender a esse apelo", conclui.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndios florestais e ansiedade ecológica levam crianças portuguesas a iniciar batalha judicial europeia

ONU culpa alterações climáticas pelo calor extremo

Rihanna pede a líderes mundiais que ajudem comunidades mais afetadas pela emergência climática