EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Chernobyl: cientistas resolvem enigma de os javalis serem mais radioativos do que outros animais

Javalis selvagens numa floresta em Eglharting, perto de Munique, no sul da Alemanha
Javalis selvagens numa floresta em Eglharting, perto de Munique, no sul da Alemanha Direitos de autor AP Photo/Matthias Schrader
Direitos de autor AP Photo/Matthias Schrader
De  Lottie Limb
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Tem a ver com a predileção dos porcos por uma certa trufa e com testes de armas nucleares anteriores ao acidente.

PUBLICIDADE

O desastre de Chernobyl, em 1986, mudou para sempre a face da floresta na Europa Central.

Os pinheiros morreram e tornaram-se avermelhados devido à radiação, dando o novo nome de "Floresta Vermelha" à área onde as plantas rebentaram. As plantas entraram nos edifícios abandonados da zona de exclusão, criando imagens sinistras que agora estão gravadas na psique coletiva da humanidade.

As populações de javalis, alces e veados aumentaram nas décadas que se seguiram ao desastre, bem como espécies mais raras de linces, bisontes e lobos.

Mas, embora todos conheçamos as imagens surpreendentes que emergiram da região na Ucrânia, sabe-se muito menos sobre a vida interior deste mundo, atingido pela radioatividade.

Os cientistas ainda não sabem, em grande medida, qual o estado de saúde dos animais de Chernobyl. E há um paradoxo em particular que os intriga há anos: porque é que os javalis continuam a ser muito mais radioativos do que outras espécies, como os veados?

Agora, medições mais precisas permitiram aos investigadores da Universidade de Tecnologia de Viena e da Universidade Leibniz de Hannover resolver este "enigma".

Num novo artigo publicado na revista Environmental Science & Technology, os investigadores explicam que isso tem a ver com testes de armas nucleares anteriores à catástrofe e com a predileção dos porcos por uma certa trufa.

A radioatividade dos javalis manteve-se surpreendentemente elevada

Após o acidente, as pessoas foram desaconselhadas a comer cogumelos locais e a carne de animais selvagens devido à elevada contaminação radioativa.

A contaminação do veado e do corço diminuiu ao longo do tempo, como previsto. Mas os níveis de radioatividade medidos na carne de javali mantiveram-se surpreendentemente elevados, refere o SciDaily.

Até hoje, algumas amostras de carne de javali - de populações que se espalharam pela região - ainda contêm níveis de radiação significativamente superiores aos limites regulamentares.

O césio-137 é o principal isótopo radioativo medido nestas amostras. Tem uma semivida de cerca de 30 anos, o que significa que, ao fim de 30 anos, metade do material se decompõe por si só.

A exposição dos alimentos à radiação diminui mais rapidamente, uma vez que o césio já viajou muito desde Chernobyl, tendo sido arrastado pela água da chuva ou levado para o solo, pelo que deixa de ser absorvido pelas plantas e animais nas mesmas quantidades iniciais.

Assim, após uma meia-vida, a maioria das amostras de alimentos apresenta muito menos de metade da concentração original.

No entanto, na carne de javali da Baviera, os níveis de radiação mantiveram-se quase constantes ao fim de quase 40 anos - aparentemente quebrando as leis da física.

Porque é que os javalis têm uma elevada radioatividade?

Sergei Grits/AP
Porcos selvagens num campo na aldeia de Lovchitsy, na BielorrússiaSergei Grits/AP

Para ajudar a resolver este mistério, uma equipa liderada pelo Professor Georg Steinhauser da TU Wien decidiu decifrar a origem e a quantidade de radioatividade nos javalis.

"Isto é possível porque diferentes fontes de isótopos radioativos têm diferentes impressões físicas", explica o Dr. Bin Feng, que conduz a sua investigação no Instituto de Química Inorgânica da Leibniz Universität Hannover e no Centro Atominstitut TRIGA da TU Wien.

"Por exemplo, não libertam apenas césio-137, mas também césio-135, um isótopo de césio com uma semivida muito mais longa."

A proporção destes dois tipos de césio varia consoante o acontecimento nuclear. Um avanço na medição do césio-135 (muito mais difícil de determinar) ajudou os investigadores a ver que os javalis tinham as marcas de um período diferente: os testes de armas nucleares da década de 1960.

PUBLICIDADE

Os resultados mostraram que, embora um total de cerca de 90% do césio-137 na Europa Central provenha de Chernobyl, a proporção nas amostras de javalis é muito inferior. Em vez disso, uma grande parte do césio presente na carne de javali tem origem em testes de armas nucleares - até 68% em algumas amostras.

Mas, mais uma vez, a questão é porquê?

As trufas de veado estão na origem do problema

Como diz o velho ditado, somos o que comemos. Os investigadores relacionaram a prevalência da radiação da era dos testes de armas nucleares nos javalis com a sua dieta.

Os animais são particularmente apreciadores de trufas de veado - cogumelos de crescimento subterrâneo que desenterram. E o césio radioativo acumula-se nestes cogumelos subterrâneos por um longo período de tempo.

O césio migra para baixo através do solo muito lentamente, às vezes apenas cerca de um milímetro por ano.
Professor Georg Steinhauser
TU Wein

"O césio migra para baixo através do solo muito lentamente, por vezes apenas cerca de um milímetro por ano", disse Georg Steinhauser ao SciDaily.

PUBLICIDADE

As trufas de veado, que se encontram a uma profundidade de 20-40 centímetros, só agora estão a absorver o césio libertado em Chernobyl. O césio dos "antigos" testes de armas nucleares, por outro lado, já lá chegou há algum tempo.

Os cogumelos - que se assemelham a bolas de maçapão enroladas em canela - receberam uma dose dupla de césio, que também se está a decompor com o tempo.

"Se somarmos todos estes efeitos, é possível explicar por que razão a radioatividade das trufas de veado - e, consequentemente, dos porcos - se mantém relativamente constante ao longo dos anos", diz Steinhauser.

"O nosso trabalho mostra como as inter-relações nos ecossistemas naturais podem ser complicadas", acrescenta, "mas também mostra precisamente que as respostas a estes enigmas podem ser encontradas se as medições forem suficientemente precisas".

Tendo em conta estes fatores, não se espera que a contaminação da carne de javali diminua significativamente nos próximos anos.

PUBLICIDADE

O que pode ser uma má notícia para os agricultores. Os javalis são menos caçados nalgumas zonas, possivelmente porque a radioatividade que apresentam os torna menos apelativos. Além disso, a sua sobrepopulação causa frequentemente danos na agricultura e na silvicultura.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quais os melhores países da Europa para ir de bicicleta para o trabalho?

Alterações climáticas: glaciares austríacos em risco de desaparecer nos próximos 45 anos

"O progresso é possível": Como é que o Brasil e a Colômbia reduziram a desflorestação?