EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

O que podemos aprender com os cães selvagens de Chernobyl

Os cães selvagens de Chernobyl
Os cães selvagens de Chernobyl Direitos de autor Timothy Mousseau/AP
Direitos de autor Timothy Mousseau/AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Cientistas estão a estudar os cães selvagens de Chernobyl para aprenderem como é que os seres humanos podem sobreviver em ambientes de desastre ambiental

PUBLICIDADE

Os cães selvagens que vivem em Chernobyl podem dar aos cientistas pistas sobre como os humanos podem sobreviver em ambientes degradados.

Mais de 35 anos decorridos após o pior acidente nuclear do mundo, os animais vagueiam entre edifícios em decomposição, abandonados dentro e em redor da fábrica fechada - de alguma forma ainda capazes de encontrar alimentos, procriar e sobreviver.

Investigadores publicaram o primeiro de muitos estudos genéticos na revista Science Advances  concentrando-se em 302 cães que vivem em liberdade numa "zona de exclusão" oficialmente designada em redor do local do desastre.

Os cientistas identificaram populações cujos diferentes níveis de exposição à radiação podem tê-los tornado geneticamente distintos uns dos outros e de outros cães em todo o mundo.

"Tivemos esta oportunidade de ouro" para lançar as bases para responder a uma questão crucial:
"Como sobreviver num ambiente hostil como este durante 15 gerações", disse a geneticista Elaine Ostrander do Instituto Nacional de Investigação do Genoma Humano, uma das autoras do estudo.

O seu colega Tim Mousseau, professor de ciências biológicas na Universidade da Carolina do Sul, disse que os cães "fornecem uma ferramenta incrível para olhar para os impactos deste tipo de cenário" sobre os mamíferos em geral.

Como é que os cães sobreviveram em Chernobyl?

Jordan Lapier/AP
Mais de 35 anos após o pior acidente nuclear do mundo, os cães de Chernobyl vagueiam entre edifícios abandonados dentro e à volta da central encerradaJordan Lapier/AP

O ambiente de Chernobyl é singularmente brutal. A 26 de Abril de 1986, uma explosão e um incêndio na maior central nuclear da Ucrânia provocou precipitação radioativa.

Trinta funcionários foram mortos no rescaldo imediato, enquanto o número de mortos por envenenamento por radiação a longo prazo é estimado em milhares.

Os investigadores dizem que a maioria dos cães que estão a estudar parecem ser descendentes de animais de estimação que os residentes foram obrigados a deixar para trás quando abandonaram a área.

Mousseau tem estado a trabalhar na região de Chernobyl desde finais dos anos 90 e começou a recolher sangue dos cães por volta de 2017. Alguns dos cães vivem na central eléctrica, um ambiente distópico e industrial. Outros estão a cerca de 15 quilómetros ou 45 quilómetros de distância.

No início, disse Ostrander, eles pensaram que os cães poderiam ter-se misturado tanto ao longo do tempo que seriam muito semelhantes. Mas através do ADN, eles conseguiam identificar facilmente os cães que viviam em áreas com níveis de exposição altos, baixos e médios.

"Foi um enorme marco para nós", disse Ostrander. "E o que é surpreendente é que podemos até identificar famílias" - cerca de 15 famílias diferentes.

Uma "oportunidade de ouro": O que é que a radiação faz ao ADN dos animais?

Os investigadores podem agora começar a procurar alterações no ADN.

"Podemos compará-las e podemos dizer: OK, o que é diferente, as mutações, o que evoluiu, o que afetou o ADN"? disse Ostrander.

"Isto implica separar as alterações não sequenciais de ADN das alterações intencionais", afirma a cientista.

A investigação pode ter amplas aplicações, fornecendo conhecimentos sobre como os animais e os seres humanos podem viver agora e no futuro em regiões do mundo sob "ataque ambiental contínuo" - e num  ambiente de elevada radiação.

A Dra. Kari Ekenstedt, uma veterinária que lecciona na Universidade Purdue e que não esteve envolvida no estudo, disse que é um primeiro passo para responder a questões importantes sobre como a exposição constante a níveis mais elevados de radiação afeta os grandes mamíferos.

Por exemplo, ela afirma: "Será que vai mudar os genomas a um ritmo mais rápido?".

PUBLICIDADE

Apesar de serem selvagens, os cães selvagens continuam a gostar muito da interação humana.

Os investigadores continuam os estudos, o que significa passar mais tempo com os cães no local, a cerca de 100 quilómetros de Kyiv.

Apesar de serem selvagens, ainda gostam muito da interação humana especialmente quando há comida envolvida
Dr. Tim Mousseau
Cientista envolvido no estudo dos cães selvagens de Chernobyl

Mousseau disse que ele e os seus colegas estiveram lá em Outubro passado e não viram qualquer atividade relacionada com a guerra.

A equipa acompanhou de perto alguns cães, batizando uma de Prancer porque ela salta cheia de entusiasmo quando vê pessoas.

"Apesar de serem selvagens, ainda gostam muito da interação humana", disse ele, "especialmente quando há comida envolvida".

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Dia Mundial do Cão comemorado na Cidade do México

Noruega investiga radiação

Reino Unido: Radioatividade acima do normal na central de Sellafield