EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Extração de metais para os veículos elétricos está a "destruir vidas" na República Democrática do Congo, diz relatório

A procura de cobalto está a explodir devido à sua utilização nas baterias recarregáveis que alimentam os telemóveis e os carros eléctricos.
A procura de cobalto está a explodir devido à sua utilização nas baterias recarregáveis que alimentam os telemóveis e os carros eléctricos. Direitos de autor JUNIOR KANNAH / AFP
Direitos de autor JUNIOR KANNAH / AFP
De  Euronews Green com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Relatório da Amnistia Internacional e da Iniciativa para a Boa Governança e os Direitos Humanos, sediada na RDC, descreve em pormenor a forma como a procura dos minerais arrancou à força as pessoas das suas casas e terras agrícolas.

PUBLICIDADE

A extração de minerais essenciais para as baterias dos veículos elétricos e outras tecnologias ecológicas na República Democrática do Congo (RDC) conduziu a violações dos direitos humanos, incluindo expulsões forçadas e agressões físicas, de acordo com um novo relatório da Amnistia Internacional.

A RDC é, de longe, o maior produtor mundial de cobalto, um mineral utilizado para fabricar baterias de iões de lítio para veículos elétricos e outros produtos. É também o maior produtor africano de cobre, que é utilizado em veículos elétricos, sistemas de energia renovável e outros.

Há muito que os grupos de defesa dos direitos humanos criticam o comércio de cobalto, cobre e outros minerais da RDC devido ao trabalho abusivo e ao risco de violência num país da África Central onde os militantes controlam vastas áreas do território.

A procura de minerais obrigou as pessoas a abandonar as suas casas

O relatório divulgado na terça-feira (12 de setembro) pela Amnistia Internacional e pela Iniciativa para a Boa Governança e os Direitos Humanos (IBGDH), sediada na RDC, descreve em pormenor a forma como a procura de minerais tem forçado as pessoas a abandonar as suas casas e terras agrícolas.

Estas pessoas foram desalojadas frequentemente sem indemnização ou reinstalação adequada.

Os grupos afirmaram ter entrevistado 133 pessoas afetadas pela exploração mineira de cobalto e cobre em seis locais ao redor da cidade de Kolwezi, na província de Lualaba, durante visitas separadas em fevereiro e setembro de 2022.

Também analisaram documentos, fotografias, vídeos, imagens de satélite e respostas da empresa.

"Os despejos forçados que ocorrem à medida que as empresas procuram expandir os projetos de mineração de cobre e cobalto à escala industrial estão a destruir vidas e têm de parar agora", afirmou Agnès Callamard, secretária-geral da Amnistia Internacional.

Violações dos direitos humanos resultante da exploração mineira

O relatório também destaca numerosas violações dos direitos humanos que ocorreram na sequência da atividade mineira.

Num caso, soldados congoleses incendiaram a povoação de Mukumbi, na província de Lualaba, no sul do país, em novembro de 2016, para abrir caminho à exploração mineira de cobalto e cobre pela Chemaf Resources, sediada no Dubai.

Os residentes que tentaram impedir os militares foram espancados, de acordo com as informações da Amnistia Internacional. O incêndio, que deixou uma menina de 2 anos com cicatrizes que alteram a sua vida, e a agressão seguiram-se a avisos iniciais entregues aos residentes por executivos da empresa escoltados pela polícia.

"Ernest Miji, o chefe local, disse que em 2015, depois de a Chemaf ter adquirido a concessão, três representantes da empresa, acompanhados por dois agentes da polícia, vieram dizer-lhe que era altura de os residentes de Mukumbi se mudarem", lê-se no relatório.

"Ele disse que os representantes visitaram mais quatro vezes."

Emmet LIVINGSTONE / AFP
A República Democrática do Congo produz mais de 70% do fornecimento global de cobalto.Emmet LIVINGSTONE / AFP

Após os protestos de 2019, a Chemaf concordou em pagar 1,5 milhões de dólares (1,4 milhões de euros) através das autoridades locais, com alguns antigos residentes a receberem entre 50 e 300 dólares (47 e 280 euros).

O grupo de ativistas locais Coalition for Safeguarding of Human Rights (Coligação para a Salvaguarda dos Direitos Humanos) considerou que se trata de uma subavaliação das propriedades das vítimas.

A Chemaf negou qualquer irregularidade, responsabilidade ou envolvimento na destruição de Mukumbi ou na instrução das forças militares para a destruírem, disse a empresa à Amnistia Internacional.

No seu website, a Chemaf afirma que o projeto de cobre e cobalto está no centro do seu ambicioso crescimento e que consolidaria a sua posição de líder na produção destes minerais.

Desalojados à força, ameaçados ou intimidados para abandonar as suas casas

O relatório também destacou um bairro em Kolwezi, onde vivem 39 mil pessoas, que tem enfrentado demolições contínuas desde 2015 para dar lugar a uma mina de cobre e cobalto a céu aberto.

PUBLICIDADE

Operada pela Compagnie Minière de Musonoie Global SAS (COMMUS), é uma joint venture entre a empresa chinesa Zijin Mining e a empresa mineira estatal Gecamines.

Os que foram forçados a sair dizem que não foram devidamente consultados, enquanto a COMMUS afirma que o seu objetivo era melhorar as suas comunicações, de acordo com o relatório.

A empresa disse que já efetuou pagamentos compensatórios calculados pelo comité de realojamento do governo provincial para garantir que a qualidade de vida dos residentes não fosse afetada.

EMMET LIVINGSTONE/AFP or licensors
Trabalhadores posam do lado de fora de um depósito comercial na mina artesanal de cobre-cobalto de Kamilombe, perto da cidade de Kolwezi, no sudeste da RDC.EMMET LIVINGSTONE/AFP or licensors

"Os preços de indemnização da COMMUS pela habitação e pelos terrenos foram superiores aos preços de mercado", segundo uma carta que a empresa enviou aos grupos de defesa dos direitos humanos.

Mas os grupos negaram que fosse suficiente.

PUBLICIDADE

"Apesar das alegações da empresa de que o seu pacote de indemnizações foi estabelecido de forma a garantir que os padrões de vida não fossem afetados, nenhum dos antigos residentes da Cité Gécamines que os investigadores entrevistaram disse ser capaz de pagar uma habitação de substituição com as mesmas comodidades que as casas que foram forçados a abandonar", diz o relatório.

"As pessoas estão a ser despejadas à força, ou ameaçadas ou intimidadas para abandonarem as suas casas, ou induzidas em erro para consentirem em acordos irrisórios", afirmou Donat Kambola, presidente do IBGDH, num comunicado.

"Muitas vezes não havia mecanismos de reclamação, responsabilização ou acesso à justiça."

A descarbonização não deve conduzir a mais violações dos direitos humanos

A Amnistia Internacional afirma que as empresas não estão a fazer o suficiente para resolver os problemas de direitos humanos associados à extração destes metais.

Muitas estão a desrespeitar as leis e normas internacionais em matéria de direitos humanos, bem como a legislação nacional e os Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos.

PUBLICIDADE

Segundo o grupo, à medida que o mundo exige mais tecnologias verdes para reduzir as emissões que alteram o clima, a extração de minerais para estes produtos está a causar danos sociais e ambientais.

"A Amnistia Internacional reconhece a função vital das pilhas recarregáveis na transição energética dos combustíveis fósseis", afirmou.

"Mas a justiça climática exige uma transição justa. A descarbonização da economia global não deve levar a mais violações dos direitos humanos."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

República Democrática do Congo quer desenvolver o potencial agrícola

Inundações ameaçam um em cada oito europeus e 11% dos hospitais

Cozinhar com combustíveis "sujos" e prejudiciais para o clima mata milhões de pessoas todos os anos. Como é que a Europa pode ajudar?