EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

República Democrática do Congo quer desenvolver o potencial agrícola

República Democrática do Congo quer desenvolver o potencial agrícola
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  François ChignacEuronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Com 80 milhões de hectares de terra arável e apenas 51 milhões aproveitados, a República Democrática do Congo quer desenvolver este potencial para estimular a economia e resolver o problema da insegurança alimentar.

PUBLICIDADE

Com um território quatro vezes maior que o de França, um potencial de produção agrícola capaz de alimentar um quarto da população mundial, diversidade climática, reservas de água doce e um potencial hidroelétrico, a República Democrática do Congo possui claramente grandes trunfos. Mas estes trunfos são insignificantes face à insegurança alimentar, que afeta 27 milhões de pessoas. Todos os anos, o país gasta milhares de milhões de dólares em importações de alimentos. Como é que tudo isto pode ser resolvido? Este foi o tema de discussão no fórum AgriBusiness, aqui em Kinshasa.

O crescimento agrícola é imperativo. É mais eficaz na redução da pobreza do que o crescimento noutros setores. Este fórum criou, portanto, um ecossistema em torno da agricultura, incluindo finanças, indústria, energia e infraestruturas. O objetivo é aumentar o número de iniciativas para promover o crescimento do setor. O que está em jogo é económico, social e ambiental.

Nicolas Kazadi, ministro das Finanças da República Democrática do Congo, diz: "Já não temos tempo para falar sobre o potencial. O momento de agir é agora. Enfrentar o desafio da agricultura assenta em três pilares. O primeiro é a infraestrutura. O segundo é a governação e o ambiente empresarial, e o terceiro é a questão da cultura empresarial da população local, em primeiro lugar, e depois a atração de estrangeiros. Temos de o fazer porque dependemos há demasiado tempo e com demasiada intensidade do setor mineiro, que não durará para sempre. No que diz respeito à agricultura, as nossas perspetivas são eternas. Portanto, agora, mais do que nunca, é o momento de aproveitar esta boa situação do setor mineiro para construir outra coisa, para diversificar a nossa economia, apoiando-nos no nosso ativo mais fiável e mais sustentável, que é a agricultura e a agroindústria".

O governo lançou um programa de reformas para promover o desenvolvimento do investimento privado nas principais cadeias de valor agrícolas do país. Trata-se de uma estratégia a dez anos, que visa aumentar a produtividade dos agricultores e do capital humano, desenvolver as infraestruturas de energia e de transportes e melhorar o quadro de governação. Um círculo virtuoso para aumentar a cooperação entre os operadores e os organismos económicos nacionais e internacionais.

Mary Porter Peschka, diretora regional para a África Oriental da International Finance Corporation (IFC), refere: "Estamos a trabalhar tanto com o setor público como com o setor privado. Recentemente, concluímos uma série de estudos aprofundados sobre setores agrícolas fundamentais. Estamos também a trabalhar na vertente do investimento, concedendo empréstimos, assumindo posições de capital e empresas agrícolas no país. O conjunto destes fatores, bem como uma boa política do governo, é o que vai fazer avançar as coisas".

80 milhões de hectares de terra arável

O país poderia aumentar a sua produção alimentar para alimentar os 100 milhões de habitantes e aumentar as exportações. O setor emprega cerca de 70% da população e representa 20% do PIB. Apesar deste potencial, a República Democrática do Congo tem baixos rendimentos agrícolas, com 51 milhões de hectares de terras não cultivadas num total de 80 milhões de hectares de terras aráveis.

Diz Anthony Nkinzo Kamole diretor-geral da Agência Nacional para a Promoção do Investimento (ANAPI) da República Democrática do Congo:"O que estamos a fazer é encorajar os empresários das incubadoras a dizerem a si próprios que precisam de conhecer a lei. Precisam de saber como elaborar um plano de negócios. Precisam de ter projetos financiáveis. Depois têm de ser capazes de ter aquilo a que chamamos uma gestão financeira do seu projeto. Atualmente, com 80 milhões de hectares de terra arável, temos de garantir que a subnutrição pode ser efetivamente reduzida. Então, será que temos a opção de falhar? Penso que já não temos essa opção".

Esta política proativa permitiu o aparecimento de seis locais de produção de alimentos em grande escala para consumo local, espalhados por todo o país. Um exemplo é a Bio Agro-Business, na província do Congo Central. Esta empresa produz arroz agulha segundo uma abordagem agroindustrial e oferece formação nas zonas rurais.

Diz Bienvenu Bieka, diretor desta empresa:"Os nossos engenheiros agrícolas vêm ajudar os agricultores a melhorar o rendimento das suas culturas. Damos-lhes sementes e depois disponibilizamos-lhes maquinaria para o seu trabalho. Compramos os seus produtos para que possam viver bem".

Estas incubadoras desenvolvem a iniciativa privada local através da emergência de jovens empresários baseados em parcelas de terreno em torno dos locais de produção. É evidente que, num contexto mundial marcado por crises ecológicas e de segurança, a República Democrática do Congo posiciona a agricultura como eixo do desenvolvimento económico.

Gracia K. Kabanga, da empresa Terra, conclui: "Temos de acreditar no nosso próprio potencial. Temos de acreditar realmente nele. Estas empresas estão cá. Isso significa que têm a ambição, têm a coragem, provavelmente têm os conhecimentos necessários para fazer o que estão a fazer. Só precisam de apoio. O mais importante é que nos seja dada a oportunidade, o enquadramento, para nos desenvolvermos plenamente".

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Extração de metais para os veículos elétricos está a "destruir vidas" na República Democrática do Congo, diz relatório

Clima empresarial melhora na República Democrática do Congo

Ambiente para investir na RD Congo é agora mais atrativo