EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

O mundo está a caminho de um aquecimento de até 2,9°C com os atuais planos climáticos, alerta o relatório da ONU

Chamas queimam uma floresta durante um incêndio florestal perto da aldeia de Sykorrahi, perto da cidade de Alexandroupolis, no nordeste da região de Evros, na Grécia, em agosto de 2023.
Chamas queimam uma floresta durante um incêndio florestal perto da aldeia de Sykorrahi, perto da cidade de Alexandroupolis, no nordeste da região de Evros, na Grécia, em agosto de 2023. Direitos de autor AP Photo/Achilleas Chiras
Direitos de autor AP Photo/Achilleas Chiras
De  Rosie Frost
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O mundo está a caminho de sofrer um aquecimento de 2,5 a 2,9 ºC neste século, alertaram as Nações Unidas.

PUBLICIDADE

Um novo relatório do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), divulgado mais de uma semana antes do início da cimeira sobre o clima COP28 no Dubai, afirma que são necessárias medidas urgentes para evitar que esta projeção se torne realidade.

Os gases com efeito de estufa a nível mundial devem ser reduzidos em 28% para não ultrapassar os 2ºC e em 42% para não ultrapassar o limite de 1,5ºC. Para o efeito, os esforços de atenuação devem ser significativamente reforçados na presente década.

"O relatório de hoje sobre o défice de emissões mostra que, se nada mudar, em 2030 as emissões serão 22 gigatoneladas mais elevadas do que o limite de 1,5 graus permitirá", afirmou o Secretário-Geral da ONU, António Guterres.

"É aproximadamente o total das emissões anuais actuais dos EUA, da China e da UE em conjunto".

2023 foi um ano recorde

As emissões globais de gases com efeito de estufa estão a atingir máximos históricos após um aumento de 1,2% no ano passado, de acordo com o PNUA.

Estas emissões recorde estão a provocar temperaturas recorde.

Até ao início de outubro, foram registadas temperaturas médias superiores a 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais em 86 dias.

setembro foi o mês mais quente de que há registo, com as temperaturas médias globais a atingirem 1,8C acima dos níveis pré-industriais.

E as temperaturas médias globais ultrapassaram provavelmente o limiar crítico de 2ºC acima dos níveis pré-industriais na semana passada, de acordo com o Serviço de Monitorização das Alterações Climáticas Copernicus da UE.

No entanto, estas temperaturas médias têm de ser mantidas durante um período de tempo mais longo para que os limites oficiais, como os estabelecidos no Acordo de Paris, sejam ultrapassados.

"Este ano assistimos a um número terrível de recordes e extremos em termos de calor, incêndios florestais e estabelecimento de novos recordes de temperatura global", afirma Anne Olhoff, editora científica chefe do relatório, à Euronews Green.

"Mas tudo o que estamos a ver agora será como um sussurro, quando o que veremos no futuro será um rugido".

Residents of a riverside community in Amazonas state carry food and containers of drinking water distributed due to drought and high temperatures.
Residents of a riverside community in Amazonas state carry food and containers of drinking water distributed due to drought and high temperatures.AP Photo /Edmar Barros

O Acordo de Paris fez alguma diferença nas emissões?

Tem havido progressos desde o Acordo de Paris de 2015. Com as políticas então em vigor, o PNUA previa um aumento de 16% das emissões até 2030. Atualmente, o aumento previsto é de 3%.

"Penso que houve progressos, não estou a dizer que nada aconteceu", afirma Olhoff.

"Mas é realmente agora ou nunca em termos de, pelo menos, manter viva a janela para limitar o aquecimento global a 1,5 graus."

Nos últimos anos, perderam-se grandes oportunidades de reduzir as emissões, acrescenta. Enquanto a guerra na Ucrânia e a consequente crise energética empurraram alguns países para soluções ecológicas, outros aproveitaram-na para abrir novas explorações de petróleo e gás ou prolongar a vida das minas de carvão.

Um dos maiores obstáculos para colmatar o fosso das emissões, diz Olhoff, é "a falta de liderança global".

Falta de liderança a nível mundial

Se os esforços de mitigação no âmbito das políticas actuais continuarem como estão, o aquecimento global só será limitado a 3ºC acima dos níveis pré-industriais. A aplicação integral dos esforços previstos nos planos climáticos dos países, ou Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC), coloca o mundo na via dos 2,9C.

PUBLICIDADE

Nenhuma das 20 maiores economias do mundo está a reduzir as emissões a um ritmo compatível com os seus objectivos de emissões líquidas nulas. Mesmo no cenário mais otimista, segundo o PNUA, a probabilidade de limitar o aquecimento a 1,5ºC é de apenas 14%.

O relatório mostra que o défice de emissões é "mais parecido com um desfiladeiro de emissões", acrescentou Guterres.

"Um desfiladeiro repleto de promessas não cumpridas, vidas não cumpridas e registos não cumpridos.

"Tudo isto é uma falha de liderança, uma traição aos vulneráveis e uma enorme oportunidade perdida".

Em vez de se concentrar apenas em objectivos mais ambiciosos para 2035, Olhoff afirma que é necessário tomar medidas mais ambiciosas para reduzir as emissões antes do final da década.

PUBLICIDADE

"Em primeiro lugar, se não o fizermos, podemos dizer adeus aos 1,5 graus".

Ainda não estamos a assistir a um pico das emissões e as actuais políticas climáticas parecem mais um patamar. Mas existem enormes oportunidades para a maioria dos países reduzirem significativamente as emissões e acabarem com os subsídios aos combustíveis fósseis, por exemplo.

Atingir o pico das emissões deverá ser a "parte fácil da curva", diz Olhoff, mas reduzir os últimos 10, 20 ou mesmo 30 por cento será provavelmente muito mais difícil.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE e Reino Unido estão a apostar no cavalo errado na corrida às emissões zero

Os Verdes não apoiarão von der Leyen sem convite para uma grande coligação

Conferência de Bona bloqueia negociações sobre o financiamento do clima: o que é que isto significa para a COP29?