Euroviews. UE e Reino Unido estão a apostar no cavalo errado na corrida às emissões zero

Por trás de uma turbina eólica em Nauen, Alemanha, em outubro de 2012, vê-se uma fábrica de biogás
Por trás de uma turbina eólica em Nauen, Alemanha, em outubro de 2012, vê-se uma fábrica de biogás Direitos de autor AP Photo/Euronews
De  Dr Mary S. Booth, Elsie Blackshaw-Crosby
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor e não representam a posição editorial da Euronews.
Artigo publicado originalmente em inglês

Pegar no carbono armazenado há décadas numa árvore e estacioná-lo debaixo do solo nunca vai, de forma alguma, gerar "emissões negativas", escrevem Mary S. Booth e Elsie Blackshaw-Crosby.

PUBLICIDADE

A bioenergia tem estado nas manchetes dos jornais durante o último ano, especialmente no que diz respeito à reforma das regras da UE sobre a forma como a queima de madeira das florestas é qualificada como "energia renovável".

Sempre foi rebuscado confiar na queima de árvores - que emitem mais CO2 do que o carvão quando queimadas e levam décadas a regenerar - como uma forma de "reduzir" as emissões.

Mas a política climática pode estar prestes a ficar ainda mais fora de controlo com uma nova ênfase na energia da biomassa com captura e armazenamento de carbono, ou BECCS, como forma de remover o CO2 da atmosfera (em linguagem climática, conseguir "emissões negativas").

O BECCS é um excelente exemplo de como desperdiçar dinheiro numa tecnologia sem esperança. A ideia é recolher as emissões de CO2 provenientes da queima de biomassa - que na UE e no Reino Unido provém maioritariamente das florestas - concentrá-las e bombeá-las para formações geológicas subterrâneas.

A alegação é que este processo irá sugar o CO2 do ar. Isto tem um apelo compreensível para os decisores políticos, afinal de contas, quem não gostaria de remover o carbono da atmosfera enquanto gera eletricidade?

Mas está a ver o problema? Pegar no carbono armazenado há décadas numa árvore e estacioná-lo debaixo do solo nunca vai, de forma alguma, gerar "emissões negativas".

Pode impedir que as emissões entrem na atmosfera, como a captura e armazenamento de carbono pode teoricamente conseguir se for utilizado com carvão, mas não vai retirar o CO2 atmosférico num período de tempo significativo para a mitigação do clima.

De facto, a promoção do abate de mais florestas irá possivelmente aumentar as emissões de CO2, porque o abate faz com que os ecossistemas florestais libertem carbono.

Pensamentos desejosos e passar cheques

As regras internacionais de comunicação de carbono confirmam que o BECCS que utiliza biomassa florestal não removerá de forma plausível o CO2 da atmosfera, de acordo com os objetivos de emissões zero da UE e do Reino Unido para 2050, mas os decisores políticos, que têm pressa em passar o desempenho da mitigação do clima para o próximo ato, estão, no entanto, a apressar-se com incentivos ao BECCS.

Na UE, a Diretiva das Energias Renováveis e a Lei das Remoções de Carbono promovem a BECCS. Os decisores políticos também já estão a passar cheques, incluindo (até agora) 180 milhões de euros em financiamento público para a central de Estocolmo Exergi, na Suécia, que promete remover 7 milhões de toneladas de CO2 em dez anos.

Isto equivale a quase 26 euros por tonelada de CO2 removida, mas é apenas uma pequena fração dos mais de 15 mil milhões de euros por ano que a UE atribui atualmente em subsídios à bioenergia.

Tanto a UE como o Reino Unido foram avisados de que a queima de florestas para combustível não é "neutra em termos de carbono" e o BECCS alimentado por biomassa florestal não produzirá emissões negativas.
Rishi Sunak segura a caixa do orçamento em Londres, em março de 2021.
Rishi Sunak segura a caixa do orçamento em Londres, em março de 2021.Toby Melville/AP

Os números acumulam-se realmente quando se considera que a modelação climática da UE está a contar com cerca de 250 milhões de toneladas de remoções de CO2 por ano até 2050 (cerca de tanto CO2 como o emitido por metade dos automóveis na UE).

No entanto, em nenhum momento desta orgia de desejos e cheques, a UE efetuou qualquer avaliação crítica sobre a possibilidade de o BECCS proporcionar qualquer benefício climático - parece ser uma afirmação simplesmente tomada por fé.

No Reino Unido, a história é muito semelhante. Apesar de os cientistas e as ONG terem bombardeado o governo com provas de que a queima de árvores está a aumentar a poluição por carbono e a prejudicar as florestas; apesar de um estudo encomendado pelo governo demonstrar o mesmo, o governo do Reino Unido publicou uma Estratégia para a Biomassa que aposta na biomassa e na BECCS.

Em resposta, dado o fracasso do governo em avaliar se a biomassa e o BECCS podem realmente contribuir para a ação climática, apresentámos um processo legal para os obrigar a voltar à prancheta de desenho. Perguntamo-nos se não será altura de apresentar um caso semelhante na UE.

"Lavagem verde" em grande escala a nível estatal

Os decisores políticos não compreendem a ciência por detrás da biomassa e do BECCS, e deixam-se facilmente levar pelas promessas da indústria da biomassa de soluções climáticas milagrosas.

Tanto a UE como o Reino Unido foram avisados por inúmeros peritos independentes, pelo IPCC e pelos seus próprios consultores científicos que a queima de florestas para combustível não é "neutra em termos de carbono" e que o BECCS alimentado por biomassa florestal não produzirá emissões negativas.

É tempo de deixar cair a cortina sobre o desempenho atual da política climática e concentrarmo-nos em soluções reais e baseadas na ciência para reduzir as emissões.
A comissária europeia para a Energia, Kadri Simson, fala aos média à chegada a uma reunião dos ministros da Energia da UE em Bruxelas, em setembro de 2022.
A comissária europeia para a Energia, Kadri Simson, fala aos média à chegada a uma reunião dos ministros da Energia da UE em Bruxelas, em setembro de 2022.AP Photo/Virginia Mayo

No entanto, a UE e o Reino Unido concedem milhares de milhões em subsídios à bioenergia por ano e estão a preparar pacotes adicionais de financiamento maciço para a BECCS.

PUBLICIDADE

É uma "lavagem verde" a nível estatal em grande escala, dizendo ao público que o governo está a reduzir a poluição por carbono com novas tecnologias, ao mesmo tempo que gasta o dinheiro dos contribuintes numa dispendiosa perda de tempo.

Todos nós estamos a começar a ver as consequências da emergência climática. Não temos tempo a perder com soluções que não funcionam.

A tecnologia de captura e armazenamento de carbono pode ter algum papel a desempenhar na redução das emissões, mas não pode e não irá proporcionar as "emissões negativas" que os governos estão a reivindicar e em que confiam.

É tempo de baixar a cortina sobre o desempenho atual da política climática e concentrar-se em soluções reais e baseadas na ciência para reduzir as emissões.

Mary S. Booth é fundadora e diretora da Partnership for Policy Integrity e Elsie Blackshaw-Crosby é advogada-gerente do The Lifescape Project.

PUBLICIDADE

Na Euronews, acreditamos que todas as opiniões são importantes. Contacte-nos em view@euronews.com para enviar propostas ou submissões e fazer parte da conversa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

União Europeia aposta na transição energética

O mundo está a caminho de um aquecimento de até 2,9°C com os atuais planos climáticos, alerta o relatório da ONU

É preciso antecipar prazos para emissões zero de carbono, diz Agência Internacional de Energia