EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Poderá a maior reserva de dados climáticos da Europa ajudar-nos a prever melhor o nosso futuro?

Poderá a maior reserva de dados climáticos da Europa ajudar-nos a prever melhor o nosso futuro?
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Jeremy Wilks
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Visitamos a movimentada cidade estudantil de Bolonha, em Itália, onde as maiores mentes científicas da Europa têm vindo a recolher dados sobre o nosso planeta desde o Renascimento.

PUBLICIDADE

A cidade de Bolonha, em Itália, alberga a universidade mais antiga do mundo e a maior reserva de dados climáticos da Europa. Neste episódio de Climate Now, viajamos até à capital histórica da região de Emilia-Romagna para perguntar o que podemos aprender com o nosso passado para nos prepararmos melhor para o nosso futuro.

O outubro mais quente até à data

Em primeiro lugar, uma rápida análise dos dados mais recentes do Serviço de Monitorização das Alterações Climáticas do Copernicus.

Globalmente, este foi o outubro mais quente de que há registo, com temperaturas 0,8 graus Celsius acima da média de 1991-2020.

Neste momento, 2016 é o ano recordista, mas 2023 é claramente muito mais elevado, o que significa que estamos no bom caminho para que este seja o ano mais quente de que há registo.

O mês de outubro na Europa foi marcado por condições meteorológicas extremas, com a tempestade Babet a assolar o Reino Unido, a Alemanha, a Dinamarca e a França, causando mortes e inundações generalizadas.

Os cientistas do clima afirmam que, à medida que o nosso planeta aquece, podemos esperar chuvas mais fortes durante este tipo de eventos.

"O ar mais quente pode reter mais humidade. De facto, por cada grau de aquecimento, vemos um aumento de 7% na quantidade de água que o ar consegue reter", diz Rosie Oakes, cientista climática do Met Office.

"Por isso, se pensarmos nisso em termos de eventos de precipitação, temos mais água no sistema e, por isso, vamos ter tempestades mais fortes quando elas ocorrerem".

A precipitação provocada pelas tempestades de outubro reflete-se no mapa europeu da anomalia de precipitação.

A Universidade de Bolonha, onde grandes mentes como Nicolau Copérnico estudaram a natureza do planeta Terra

Bolonha é uma cidade de estudantes e um local onde as maiores mentes científicas da Europa, como Nicolau Copérnico, têm vindo a recolher dados sobre o nosso planeta desde o Renascimento.

A professora Monica Azzolini, professora associada da Universidade de Bolonha, mostrou-nos o impressionante museu Palazzo Poggi e a grande Biblioteca Universitária de Bolonha.

"Esta é uma das muitas coleções europeias do século XVI que tentaram reunir o máximo de informação possível sobre o mundo tal como o conheciam", disse ao Climate Now.

"Agora baseamo-nos mais em dados numéricos, mas a ideia é exatamente a mesma. A ideia é dar sentido ao mundo, recolhendo o máximo de informação possível."

Tecnopolo di Bologna: Utilizar os dados para antecipar o futuro

Atualmente, essa busca para compreender a Terra e prever com precisão o futuro continua no Tecnopolo di Bologna, onde se encontra o armazém de dados climáticos da Europa.

O centro possui um conjunto completo de registos que datam de 1940 até hoje. No interior dos servidores, há informações úteis para gerir o impacto das alterações climáticas na agricultura, nas cidades, na saúde e até na produção de energia limpa.

"Há também muitos outros sectores, tanto na sociedade como na economia, que podem utilizar este tipo de dados, por exemplo, sobre a produção de energia", disse Susanna Corti, diretora de investigação do Conselho Nacional de Investigação de Itália.

"Pode ajudar a planear as grandes centrais eólicas ou mesmo outros tipos de energias renováveis, como a energia solar."

Susanna mostrou-nos dois exemplos de um cenário de emissões elevadas e de um cenário de emissões reduzidas - ilustrando o aquecimento do nosso planeta se não fizermos nada para reduzir os gases com efeito de estufa.

PUBLICIDADE

"Este é apenas um exemplo, mas todos eles são necessários em conjunto para podermos tomar decisões", acrescentou.

Há lições valiosas a retirar do passado recente no armazenamento de dados climáticos. E se olharmos para trás, para os nossos antepassados do Renascimento, cujas obras preciosas como o Mundus Subterraneus de Athanasius Kircher estão guardadas aqui em Bolonha - o que podemos aprender com eles?

"Penso que uma das lições do passado é que eles acreditavam que a Terra era um ser vivo e que faziam parte deste ambiente e que mudar as coisas poderia levar a problemas", concluiu a Professora Monica Azzolini.

Partilhe esta notícia