Mais de 70 mil pessoas poderão ter morrido devido às vagas de calor do verão de 2022 na Europa

Uma mulher idosa protege-se do sol quente com um jornal, em Milão, Itália.
Uma mulher idosa protege-se do sol quente com um jornal, em Milão, Itália. Direitos de autor Luca Bruno/AP Photo, File
De  Lauren Chadwick
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os investigadores analisaram a forma como os dados diários e semanais podem subestimar o excesso de mortes devido à mortalidade relacionada com o calor.

PUBLICIDADE

De acordo com um novo estudo, as temperaturas elevadas em 2022 podem ser responsáveis por 70 000 mortes em excesso na Europa.

Os investigadores do Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal) reviram as estimativas iniciais da mortalidade relacionada com o calor para o verão de 2022 numa nova análise publicada na revista The Lancet Regional Health - Europe.

De acordo com o Copernicus, o programa de observação da Terra da UE, 2022 foi o segundo ano mais quente de que há registo na Europa. Foi cerca de 0,9 °C acima da média, com temperaturas de verão na Europa 1,4 °C acima da média.

Os cientistas do ISGlobal e do Inserm estimaram anteriormente que mais de 61 000 pessoas morreram nas ondas de calor do verão de 2022, sendo a Itália o país da UE mais afetado. Os cientistas reviram a sua estimativa após terem desenvolvido um novo quadro para medir a mortalidade relacionada com o calor.

Modelo baseado nas temperaturas diárias e na mortalidade

O novo quadro baseou-se em temperaturas diárias e registos de mortalidade de 147 regiões em 16 países europeus e permitiu-lhes rever os seus cálculos para 2022 com base em dados históricos.

Segundo os cientistas, a estimativa anterior, baseada em dados semanais, subestimava as mortes em 10,28%.

Os cientistas descobriram que os modelos de dados semanais, quinzenais e mensais subestimavam a mortalidade relacionada com a temperatura em comparação com um modelo baseado em dados diários.

Em períodos de tempo mais longos, as subestimações foram mais dramáticas.

"Se houver uma onda de calor hoje ou um episódio de temperaturas muito elevadas, vemos sistematicamente um aumento da mortalidade no mesmo dia e nos dias seguintes, até 7 a 10 dias", disse Joan Ballester Claramunt, investigador do ISGlobal e autor do estudo, à Euronews Next.

"Por isso, quando usamos estes conjuntos de dados semanais, que são agregados de mortalidades diárias e médias de temperaturas diárias, estamos a simplificar esta associação tardia entre a temperatura diária e a mortalidade diária e, quando o fazemos, tendemos a subestimar os efeitos do calor", acrescentou o investigador.

A compilação de dados diários sobre temperaturas e mortalidade é atualmente um "esforço titânico" que pode levar anos, disse Ballester, defendendo que a União Europeia deveria coordenar estes conjuntos de dados para impulsionar a investigação europeia.

Previsão de mais mortes relacionadas com o calor

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) e o Copernicus afirmaram, num relatório conjunto publicado no início deste ano, que a Europa é o continente que regista o aquecimento mais rápido do mundo, tendo aquecido duas vezes mais do que a média global desde a década de 1980.

"O stress térmico recorde que os europeus sofreram em 2022 foi um dos principais motores do excesso de mortes relacionadas com o clima na Europa", afirmou o Dr. Carlo Buontempo, diretor do Serviço de Monitorização das Alterações Climáticas do Copernicus, numa declaração de junho, acrescentando que não se trata de um acontecimento isolado.

"O nosso conhecimento atual do sistema climático e da sua evolução informa-nos que este tipo de acontecimentos faz parte de um padrão que tornará os extremos de stress térmico mais frequentes e mais intensos em toda a região", acrescentou.

Os investigadores do ISGlobal e do Inserm afirmaram em julho que o continente europeu enfrentará uma média de mais de 68 000 mortes em excesso relacionadas com o calor em cada verão até 2030 e mais de 94 000 até 2040, a menos que haja uma resposta eficaz às alterações climáticas.

Ballester afirmou que, embora os investigadores possam "projetar as temperaturas futuras e a mortalidade relacionada com a temperatura, [o futuro] depende das nossas acções".

Através da mitigação, "podemos diminuir as emissões de gases com efeito de estufa e reduzir o aumento das temperaturas", enquanto através da adaptação, os governos podem tomar várias medidas, incluindo uma vigilância mais apertada das pessoas com comorbilidades em risco de morte relacionada com o calor e melhores ferramentas de previsão e sistemas de alerta precoce.

Há "melhorias na qualidade das casas, no isolamento, na ventilação e também numa conceção mais inteligente das cidades. Estas, entre muitas outras, são ferramentas a vários níveis diferentes que podem ser implementadas para aumentar a resiliência e reduzir os impactos", afirmou Ballester.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Calor extremo: como é que as altas temperaturas afetam o corpo humano?

Deputados alemães dão luz verde à legalização da canábis

Maior hospital do Alabama suspende fertilização in vitro