EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"Foi traumático": Pais britânicos apelam a vacinação face ao aumento dos casos de sarampo

Foto de 6 de junho de 2018, uma criança recebe uma dose de vacina em Chitila, Roménia. Um surto de sarampo matou dezenas de bebés e crianças na Roménia, com 200 novos casos registados
Foto de 6 de junho de 2018, uma criança recebe uma dose de vacina em Chitila, Roménia. Um surto de sarampo matou dezenas de bebés e crianças na Roménia, com 200 novos casos registados Direitos de autor Olimpiu Gheorghiu/Copyright 2018 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Olimpiu Gheorghiu/Copyright 2018 The AP. All rights reserved.
De  Roselyne Min com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Casos globais de sarampo poderão duplicar num ano, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

PUBLICIDADE

Um casal britânico em West Midlands, em Inglaterra, quase perdeu o filho no Natal passado quando o bebé, Ezra, contraiu sarampo.

Ezra começou a ter uma febre alta e apareceram-lhe erupções cutâneas no corpo. “Foi bastante traumático”, disse a mãe de Ezra, Davina Barrett.

"A erupção começou no tronco e espalhou-se por todo o corpo e foi aí que percebemos que algo estava errado e que era mais do que uma tosse e uma constipação. Por isso, levámo-lo para o A&E [o serviço de urgências]", acrescentou Barrett.

O Ezra era demasiado novo para receber a vacina contra o sarampo, mas o seu irmão mais velho, Noah, tinha tomado a sua primeira dose.

Surtos de sarampo aumentam

Na Sociedade Europeia de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas (ESCMID), em Barcelona, os médicos foram informados de que o sarampo deve ser controlado.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou para o aumento do número de surtos de sarampo, prevendo-se que os casos de sarampo a nível mundial possam quase duplicar num ano.

O sarampo é uma doença altamente infecciosa, podendo uma só pessoa infetar 15 sem contacto direto.

No Reino Unido, o Serviço Nacional de Saúde (NHS) recomenda que as crianças tomem a primeira dose da vacina com um ano de idade e a segunda dose entre os três anos e meio e os cinco anos.

Os pais de Ezra querem apelar a todos os pais para que assegurem que os seus filhos sejam vacinados, não apenas por si próprios, mas para proteger os mais vulneráveis.

"Eles estiveram juntos e o Noah não apanhou nada e é uma vacina simples de tomar", disse o pai de Ezra, Karl Barrett.

Entre 18 de março e 18 de abril, foram confirmados 191 casos de sarampo, de acordo com dados do governo britânico.

Objetivo de 95% para a vacinação

Para que crianças como Ezra estejam protegidas, é necessário que muito mais pessoas assegurem a vacinação dos seus filhos.

"Se estivermos protegidos, há pessoas que não podem ser protegidas e, na verdade, ajudamo-las ao sermos vacinados. Assim, as crianças muito pequenas que ainda não podem ser vacinadas estão protegidas porque os seus irmãos, pais, avós e vizinhos estão protegidos", afirmou o Dr. Patrick O'Connor do Departamento de Imunização, Vacinas e Produtos Biológicos (IVB) da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Para alcançar a imunidade de grupo e impedir a propagação do sarampo, é necessário que 95% da população receba duas doses da vacina.

Atualmente, a taxa global é de 83%, o que, segundo O'Connor, é demasiado baixa.

"Sabemos que 86% não foi suficiente a nível mundial para evitar grandes surtos em [2018 e 2019] e 83% não vai ser suficiente para impedir grandes surtos este ano ou no próximo ano. Por isso, temos de fazer mais", afirmou O'Connor.

Em 2018, mais de 140 000 pessoas morreram em todo o mundo devido ao sarampo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Muitas medidas de vigilância foram desviadas para fazer face ao problema da COVID-19, mas O'Connor acredita que é essencial travar a aceleração dos casos a nível mundial.

PUBLICIDADE

"Estas perturbações nos cuidados de saúde e o tipo de perturbações nos serviços de vacinação dentro do sistema de saúde prepararam-nos realmente para um risco elevado e mais casos", afirmou.

Os especialistas dizem que o ideal é tomar a vacina numa idade jovem, mas se não tiver tomado as duas vacinas, deve tomá-las independentemente da sua idade.

"Se não tomou a dose, deve tomar a dose e, portanto, pode ter 20 anos, 30 anos ou seis anos. Penso que a questão é que queremos ter a certeza de que estamos a proteger toda a gente".

Editor de vídeo • Roselyne Min

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Três casos de VIH ligados a tratamentos faciais em spa dos EUA, diz CDC

Poderá o arroz rosa ser o alimento do futuro? Cientistas dizem que é mais nutritivo que o arroz normal

Exposição pré-natal a químicos pode aumentar risco de obesidade e hipertensão nas crianças