Nova controvérsia a envolver a presidência da COP 28 no Dubai

Foto dos participantes na cimeira do clima, COP 28, no Dubai
Foto dos participantes na cimeira do clima, COP 28, no Dubai Direitos de autor / Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Sultão Al Jaber já é alvo de controvérsia por liderar a COP 28 e ser presidente da gigante petrolífera estatal dos Emirados Árabes Unidos, Adenoc.

PUBLICIDADE

O presidente da próxima conferência COP 28 no Dubai, Sultan Al Jaber, está no centro de alegações que sugerem que os Emirados Árabes Unidos (EAU) planeavam utilizar as reuniões sobre o clima, no âmbito da cimeira mundial, para promover acordos para as suas próprias empresas nacionais de petróleo e gás.

O Sultão Al Jaber já é alvo de controvérsia por liderar a COP 28 e ser presidente da gigante petrolífera estatal dos Emirados Árabes Unidos, Adenoc. 

De acordo com documentos que vieram a público, a sua equipa estaria a preparar reuniões com pelo menos 27 governos estrangeiros antes da cimeira COP28, que começa no próximo dia 30 de novembro. 

Os documentos incluíam "pontos de discussão" e propostas. Um dos exemplos divulgados é um documento para a China que afirma que a Adnoc está "disposta a avaliar conjuntamente as oportunidades internacionais de GNL [gás natural liquefeito]" em Moçambique, Canadá e Austrália. 

A ex-presidente da Irlanda, Mary Robinson, que é uma figura proeminente devido à participação na COP28, tem preocupações sobre esses aparentes acordos privados nos bastidores da conferência.

“É muito preocupante porque as percepções importam e já havia a percepção de que a presidência estava um pouco comprometida e isso pode tornar a situação ainda mais difícil. Não temos tempo para uma má COP. Temos que ter o máximo progresso possível nesta COP porque estamos a ficar sem tempo."

O secretário-geral da ONU, António Guterres, enfatizou a urgência e a necessidade de nada prejudicar a conferência climática.

“Os líderes devem agir para limitar o aumento da temperatura global a 1,5 graus, proteger as pessoas do caos climático e acabar com a era dos combustíveis fósseis", afirmou.

A equipa da COP do Dubai rejeitou qualquer implicação de um conflito de interesses e que "o Dr. Sultan al-Jaber está singularmente focado nos negócios da COP e na obtenção de resultados climáticos ambiciosos e transformacionais".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

COP28: UE tem de ter mais ambição na ação climática, diz comissário

Saquetas de chá, comida para levar e cachorros-quentes associados a níveis elevados de "químicos eternos", revela estudo norte-americano

Parlamento Europeu em desacordo com a ação dos Estados-Membros face à poluição