COP28: UE tem de ter mais ambição na ação climática, diz comissário

A UE quer atingir a neutralidade de emissoes poluentes até 2050
A UE quer atingir a neutralidade de emissoes poluentes até 2050 Direitos de autor Joshua A. Bickel/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Gregoire Lory
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mais ambição na ação climática é a mensagem da União Europeia (UE) para a COP28, a conferência da ONU, no Dubai, de 30 de novembro a 12 de dezembro. A euronews entrevistou o comissário europeu para a Ação Climática, Wopke Hoekstra, que destacou a questão do financiamento para criar confiança.

PUBLICIDADE

"A fasquia é simplesmente muito alta, não porque queiramos, mas porque os cientistas nos dizem que sim", disse Wopke Hoekstra, comissário europeu para a Ação Climática, à euronews, depois de ter apresentado ao Parlamento Europeu, em Bruxelas, terça-feira, as propostas que vai fazer na COP28.

"Por isso, enquanto comunidade global, temos de conseguir resultados em matéria de mitigação, de redução das emissões poluentes, de garantir que as emissões atinjam o seu pico em 2025, de estabelecer um objetivo credível de triplicação do uso das energias renováveis, de eficiência energética e de eliminação do metano", explicou.

O executivo comunitário destaca a realização do primeiro "Balanço Global", que vai avaliar o que já foi feito desde o Acordo de Paris, em 2015, e de como continuar a trabalhar para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C, a nível global.

"O "Balanço Global" fará o que a expresão implica, um balanço sobre o ponto em que estamos. Mas o mais importante é saber como avançar. E a realidade é que estamos na boa direção mais precisamos de avançar mais depressa, precisamos de fazer mais enqaunto avançamos. Por isso, o balanço é aqui também equivalente a uma maior ambição e ao facto de os países se comprometerem a fazer mais", disse o comissário.

Mais financiamento, sobretudo para os países menos desenvolvidos

Os Estados-membros da UE e outros países mais desenvolvidos deverão ser pressionados sobre a questão do financiamento da ação climática, incluindo do novo fundo de perdas e danos que visa custear as reparações de catástrofes naturais relacionadas com as alterações climáticas.

Temos trabalhado, incansavelmente, no seio da UE, para ver como podemos conseguir mais financiamento para as perdas e danos, e estou mais otimista do que há duas semanas m relação a este elemento crucial.
Wopke Hoekstra
Comissário europeu para a Ação Climática

Subsistem dúvidas sobre a lista de países que contribuirão para o fundo, sendo que para os países em desenvovimento são já necessários, pelo menos, um bilião de euros, por ano.

"Temos trabalhado, incansavelmente, no seio da UE, para ver como podemos conseguir mais financiamento para as perdas e danos e estou mais otimista do que há duas semanas em relação a este elemento crucial. Garantir o financiamento adequado é uma parte muito importante para criar confiança", referiu Wopke Hoekstra.

Um tema complexo na negociação é a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis, incluindo acabar com os subsídios estatais que muitos países ainda concedem a essa produção de energia, prejudicando a transição para as fontes renováveis e sustentáveis.

A UE quer atingir a neutralidade das suas emissões poluentes até 2050.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

COP28: Macron pede fim do carvão nos países do G7 até 2030

Nova controvérsia a envolver a presidência da COP 28 no Dubai

Clima: Fundo de Perdas e Danos será teste decisivo na COP28