EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Proibição de sacos de plástico está a funcionar? Estudo conclui que 6 mil milhões de sacos são poupados anualmente nos EUA

Os sacos de plástico não são biodegradáveis, pelo que podem continuar a poluir o ambiente com microplásticos nocivos durante centenas de anos após a sua utilização.
Os sacos de plástico não são biodegradáveis, pelo que podem continuar a poluir o ambiente com microplásticos nocivos durante centenas de anos após a sua utilização. Direitos de autor Brian Yurasits
Direitos de autor Brian Yurasits
De  Rebecca Ann Hughes
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os sacos de plástico não são biodegradáveis, pelo que podem continuar a poluir o ambiente com microplásticos nocivos durante centenas de anos após a sua utilização.

PUBLICIDADE

Segundo um novo estudo, as proibições de sacos de plástico de utilização única reduziram com êxito a utilização de plástico bem como o lixo e a poluição que lhes estão associados.

De acordo com o estudo, as proibições em cinco estados e cidades dos EUA - com uma população total de cerca de 12 milhões de pessoas - reduziram o consumo de sacos de plástico de utilização única em cerca de 6 mil milhões por ano.

A adoção de uma proibição semelhante às políticas em vigor nestes locais poderia eliminar cerca de 300 sacos de plástico de utilização única por pessoa, por ano.

Porque é que os sacos de plástico de utilização única são maus para o ambiente?

Os sacos de plástico de utilização única são comuns nas bermas das estradas, nos rios e nas zonas costeiras, onde muitos acabam depois de deitados fora.

Não são apenas inestéticos; podem também ser mortais para a vida marinha e prejudiciais para a saúde humana.

Os sacos e películas de plástico (como as embalagens) são frequentemente ingeridos por animais marinhos e causam mais mortes de tartarugas marinhas e cetáceos (baleias, golfinhos e botos) do que qualquer outro tipo de plástico.

A produção, utilização e eliminação de sacos de plástico de utilização única também liberta emissões que prejudicam a nossa saúde e contribuem para o aquecimento global.

Os sacos de plástico não são biodegradáveis, pelo que podem continuar a poluir o ambiente com microplásticos nocivos durante centenas de anos após a sua utilização.

A proibição dos sacos de plástico reduz o lixo num terço

Um novo relatório concluiu que as proibições em Nova Jérsia, Vermont, Filadélfia, Portland, no Oregon, e Santa Bárbara, na Califórnia, evitaram a utilização de tantos sacos de plástico como os que dariam 42 voltas à Terra.

Organizações sem fins lucrativos, agências governamentais e outros descobriram que as proibições de sacos de plástico reduziram com êxito o lixo dos sacos de plástico em pelo menos um terço, com reduções de lixo muito maiores em algumas jurisdições.

Por exemplo, depois da proibição de Nova Jérsia ter entrado em vigor em maio de 2022, as limpezas de outono da Clean Ocean Action recolheram menos 46% de sacos de plástico de utilização única do que as limpezas de abril.

De acordo com o estudo do Environment America Research and Policy Centre, estas reduções, sobretudo nas zonas costeiras, reduzem provavelmente o risco que os sacos de plástico representam para os animais marinhos.

As proibições de sacos de plástico bem concebidas incentivam os compradores a trazerem sacos reutilizáveis ou a transportarem à mão o que compram - ambas opções sustentáveis que minimizam os resíduos.

Por exemplo, no condado de San Mateo, na Califórnia, a proporção de clientes com pelo menos um saco reutilizável em 13 retalhistas inquiridos aumentou 162% após a implementação da proibição no condado. Em Mountain View, a proporção de clientes que não utilizam sacos quase triplicou após a imposição da proibição.

A maioria das zonas com proibição de sacos permite que as lojas distribuam sacos de papel, o que constitui uma alternativa caso os clientes se esqueçam de trazer sacos reutilizáveis.

PUBLICIDADE

Os sacos de papel são biodegradáveis e amplamente recicláveis, o que os torna preferíveis aos sacos de plástico, mas a utilização de novos sacos de papel em cada ida à mercearia desperdiça mais do que trazer sempre o mesmo conjunto de sacos reutilizáveis.

Quais as proibições de sacos de plástico mais eficazes?

Para reduzir a poluição por plásticos, os decisores políticos devem adotar proibições rigorosas de sacos de plástico de utilização única para minimizar os resíduos de plástico e devem colmatar as lacunas que enfraquecem a eficácia das proibições existentes, aconselha o relatório.

As mercearias, os restaurantes e as lojas de retalho não devem ser autorizados a distribuir sacos de plástico de qualquer espessura.

No entanto, estes estabelecimentos devem ser autorizados e mesmo incentivados a distribuir sacos verdadeiramente reutilizáveis mediante o pagamento de uma taxa adequada que evite que sejam tratados como sacos de utilização única.

PUBLICIDADE

As lojas deveriam ser obrigadas a cobrar uma taxa de pelo menos 0,10 dólares (0,10 euros) pelos sacos de papel de utilização única, acrescentam os autores.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estudo mostra que água engarrafada contém milhares de plásticos minúsculos

Quando é que vai terminar a vaga de calor na Europa? Peritos prevêem o fim, mas com tempestades a seguir

A sujidade do rio Sena pode fazer com que não haja natação no triatlo olímpico, dizem os organizadores