Ponto de viragem na Amazónia: 47% da floresta ameaçada pelas alterações climáticas e pela desflorestação

Casas flutuantes e barcos encalhados no leito seco do lago Puraquequara, no meio de uma seca severa em Manaus, estado do Amazonas, Brasil, outubro de 2023.
Casas flutuantes e barcos encalhados no leito seco do lago Puraquequara, no meio de uma seca severa em Manaus, estado do Amazonas, Brasil, outubro de 2023. Direitos de autor AP Photo/Edmar Barros
De  Lottie Limb
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O ecossistema vital pode também alternar entre floresta tropical e vegetação do tipo savana se a seca se agravar, segundo um estudo.

PUBLICIDADE

A floresta tropical amazónica está a aproximar-se de um ponto de rutura que teria consequências devastadoras para o sistema climático mundial, segundo novos estudos.

Até 47% dos "pulmões do planeta" poderão ser ameaçados pelo aumento das temperaturas, secas, desflorestação e incêndios até 2050, segundo cientistas do Instituto Potsdam para a Investigação do Impacto Climático (PIK), na Alemanha.

O sudeste da Amazónia, no Brasil, já deixou de ser um sumidouro de carbono para se tornar uma fonte de carbono, o que significa que emite mais gases com efeito de estufa do que os que absorve.

Perder floresta num lugar pode levar à perda de floresta noutro, num ciclo autopropulsor ou simplesmente 'derrubante'.

Como explica o cientista do PIK Boris Sakschewski, isso prova que "a atual pressão humana é demasiado elevada para que a região mantenha o seu estatuto de floresta tropical a longo prazo".

Mas o problema não se fica por aqui, diz ele. "Uma vez que as florestas tropicais enriquecem o ar com uma grande quantidade de humidade, que constitui a base da precipitação no oeste e no sul do continente, a perda de floresta num local pode levar à perda de floresta noutro local, num ciclo autopropulsor ou simplesmente 'derrubante'".

O que acontece se o ponto de viragem da Amazónia for ultrapassado?

A Terra tem uma série de limiares naturais que, se forem ultrapassados, podem fazer com que as temperaturas fiquem fora de controlo e desencadear efeitos dominó devastadores para os ecossistemas e as pessoas.

A extinção da Amazónia é um desses limiares, juntamente com o colapso de grandes camadas de gelo na Gronelândia e no Antártico Ocidental, a morte de recifes de coral em mares mais quentes e o colapso de uma importante corrente oceânica do Atlântico.

O impacto da perda de floresta não se limita às fronteiras da Amazónia, explicam os autores do novo estudo publicado hoje na revista Nature.

À semelhança do seu poderoso rio, as árvores da Amazónia sugam a água e bombeiam milhares de milhões de toneladas de vapor de água por dia em enormes "rios voadores". Esta humidade transportada pelo céu é uma parte fundamental da monção sul-americana, essencial para a precipitação em vastas zonas do continente.

E como a Amazónia no seu todo ainda armazena carbono equivalente a 15-20 anos das atuais emissões humanas de CO2, a sua libertação através da perda da floresta aumentaria significativamente o aquecimento global.

Quais são as maiores ameaças à Amazónia?

A forest burns in the Amazon in the municipality of Manaquiri in Brazil's Amazonas state, September 2023.
A forest burns in the Amazon in the municipality of Manaquiri in Brazil's Amazonas state, September 2023.AP Photo/Edmar Barros

No seu estudo, a equipa internacional de investigadores identificou cinco limiares climáticos e de utilização dos solos que não devem ser ultrapassados para que a Amazónia se mantenha resiliente.

São eles: o aquecimento global, as quantidades anuais de precipitação, a intensidade da sazonalidade da precipitação, a duração da estação seca e a desflorestação acumulada. Para cada um destes fatores, os cientistas sugerem limites seguros para impedir que a Amazónia ultrapasse o seu ponto de rutura.

A floresta tropical não pode existir se a precipitação média anual descer abaixo dos 1.000 mm, por exemplo. Mas, explica Da Nian, outro cientista do PIK e coautor do estudo, abaixo dos 1800 mm por ano, "tornam-se possíveis transições abruptas da floresta tropical para uma vegetação do tipo savana".

"Isto pode ser desencadeado por secas individuais ou incêndios florestais, que se tornaram mais frequentes e mais graves nos últimos anos".

Tendo em conta a atual trajetória do aquecimento global e os ataques diretos à floresta devido ao abate de árvores e aos incêndios, o estudo conclui que 10 a 47% das florestas amazónicas serão ameaçadas por perturbações crescentes, levando este precioso ecossistema ao seu limite.

O que acontecerá às partes destruídas da Amazónia?

O estudo analisa igualmente exemplos de florestas perturbadas em várias partes da Amazónia para compreender o que poderá acontecer ao ecossistema.

Nalguns casos, a floresta pode recuperar no futuro, mas continuar presa num estado degradado, dominado por plantas oportunistas como as lianas ou os bambus.

Noutros casos, a floresta não recupera mais e permanece presa num estado de copa aberta e inflamável. A expansão de ecossistemas abertos e inflamáveis no núcleo da floresta amazónica é particularmente preocupante porque pode propagar os incêndios às florestas adjacentes.

PUBLICIDADE

Os cientistas apelam ao fim da desflorestação e das emissões de gases com efeito de estufa

Os pontos de viragem climática, como a perda da Amazónia, são difíceis de compreender pela sua complexidade e enormidade. Mas o apelo à ação dos autores do estudo é familiar e claro.

"Para manter a floresta amazónica dentro de limites seguros, é necessário combinar esforços locais e globais", afirma o coautor Niklas Boers, líder do Future Lab 'Artificial Intelligence in the Anthropocene' no PIK e professor de Modelação do Sistema Terrestre na Universidade Técnica de Munique.

"A desflorestação e a degradação florestal têm de acabar e a restauração tem de se expandir. Além disso, é necessário fazer muito mais para travar as emissões de gases com efeito de estufa a nível mundial."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Autoridades investigam acidente aéreo na Amazónia

Cimeira da Amazónia: Apelo aos países industrializados para que façam mais para salvar floresta

Zara, H&M: gigantes europeus do retalho ligados à usurpação de terras e à desflorestação no Brasil