Tecnologias de energia limpa abrandaram crescimento das emissões globais de carbono em 2023

Um barco de borracha passa por turbinas no Mar do Norte, 14 quilómetros a oeste da pequena aldeia de Blavand, perto de Esbjerg, na Dinamarca.
Um barco de borracha passa por turbinas no Mar do Norte, 14 quilómetros a oeste da pequena aldeia de Blavand, perto de Esbjerg, na Dinamarca. Direitos de autor AP Photo/Heribert Proepper
De  Rosie Frost
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Embora a procura de energia tenha aumentado, as tecnologias de energia limpa ajudaram o mundo a evitar a utilização de mais combustíveis fósseis no ano passado, segundo a Agência Internacional de Energia.

PUBLICIDADE

Sem as tecnologias de energia limpa, as emissões globais de carbono nos últimos cinco anos teriam sido três vezes maiores, de acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE).

As emissões globais de dióxido de carbono ainda atingiram um nível recorde em 2023. Mas a nova análise concluiu que o crescimento das fontes limpas conduziu a um "abrandamento estrutural" das emissões relacionadas com a energia.

Mesmo com o aumento da procura de energia, a expansão da energia solar, eólica e nuclear ajudou o mundo a evitar uma utilização ainda maior de combustíveis fósseis no ano passado.

Os veículos elétricos, que representaram uma em cada cinco vendas de automóveis novos em 2023, também contribuíram para evitar que a procura de petróleo subisse acima dos níveis pré-pandémicos.

Crescimento das emissões globais de carbono está a abrandar

A atualização anual publicada na sexta-feira mostra que, apesar dos desafios, as emissões relacionadas com a energia não aumentaram tão rapidamente em 2023 como em 2022.

"A transição para as energias limpas foi submetida a uma série de testes de stress nos últimos cinco anos - e demonstrou a sua resiliência", afirma Fatih Birol, diretor executivo da AIE.

"Uma pandemia, uma crise energética e a instabilidade geopolítica tinham todas o potencial para fazer descarrilar os esforços de construção de sistemas energéticos mais limpos e mais seguros."

Os painéis solares funcionam perto da pequena cidade de Milagro, na província de Navarra, no norte de Espanha.
Os painéis solares funcionam perto da pequena cidade de Milagro, na província de Navarra, no norte de Espanha.AP Photo/Alvaro Barrientos (arquivo)

Em vez disso, acrescenta Birol, assistimos ao oposto em muitas economias. A transição para as energias limpas continua, controlando as emissões apesar de a procura de energia ser maior em 2023 do que em 2022.

Na UE, por exemplo, as emissões provenientes da produção de energia diminuíram quase 9%, sendo o crescimento das energias limpas responsável por metade desta redução. Pela primeira vez, a energia eólica ultrapassou o gás natural e o carvão na produção de energia, afirma a AIE.

A utilização do carvão para a produção de eletricidade diminuiu 27% e a do gás natural 15%. A AIE afirma que a recuperação da energia hidroelétrica após as secas de 2022 e a recuperação parcial da energia nuclear também contribuíram para reduzir a dependência dos combustíveis fósseis.

Clima extremo impulsiona emissões

O relatório da AIE também destaca o impacto que as condições meteorológicas - agravadas pelo El Niño - têm na produção de energia a partir de fontes limpas.

A seca extrema fez com que 2022 fosse um ano "historicamente mau" para a energia hidroelétrica. A falta de água levou a uma diminuição da produção, que foi em grande parte substituída por combustíveis fósseis. Este facto foi responsável por cerca de 40% do aumento total das emissões de dióxido de carbono no ano passado.

Trabalhadores instalam painéis solares no telhado de um apartamento residencial em Kochi, no sul do estado de Kerala, na Índia.
Trabalhadores instalam painéis solares no telhado de um apartamento residencial em Kochi, no sul do estado de Kerala, na Índia.AP Photo/R S Iyer (arquivo)

A Índia e a China foram particularmente afetadas pela queda da energia hidroelétrica, tendo as emissões provenientes de combustíveis fósseis aumentado 5,2% na China. O rápido crescimento de outras fontes de energia limpa, como a energia solar, a energia eólica e os veículos elétricos em 2023, não foi suficiente para cobrir a procura crescente.

Na Índia, uma estação das monções mais fraca do que o habitual aumentou a procura de eletricidade e reduziu a produção de energia hidroelétrica, responsável por um quarto do crescimento das emissões do país.

O que ainda há a fazer para que as emissões globais diminuam

No entanto, ainda existem obstáculos para atingir este pico das emissões globais.

O crescimento das energias limpas continua concentrado nas economias avançadas e na China. De acordo com o relatório da AIE, estas economias representaram, em conjunto, 90% das novas energias solar e eólica a nível mundial e 95% das vendas de veículos elétricos.

E nem toda a tecnologia de energia limpa avançou, com as vendas de bombas de calor a caírem ligeiramente, uma vez que os consumidores tiveram dificuldade em pagar as compras mais caras no ano passado.

"Os compromissos assumidos por quase 200 países na COP28 no Dubai, em dezembro, mostram o que o mundo precisa de fazer para colocar as emissões numa trajetória descendente", afirma Birol.

PUBLICIDADE

"Acima de tudo, precisamos de esforços muito maiores para permitir que as economias emergentes e em desenvolvimento aumentem o investimento em energia limpa".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Poderá a Europa eletrificar-se rapidamente para cumprir os seus objetivos energéticos e climáticos?

Putin acelerou a transição ecológica na UE, diz Ursula von der Leyen

UE ambiciona aumentar produção de energia offshore até 2030