Alterações climáticas ameaçam populações de atum do Pacífico

Em parceria com The European Commission
Alterações climáticas ameaçam populações de atum do Pacífico
Direitos de autor Euronews
De  Denis Loctier
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Para esta edição de Ocean, visitámos as Ilhas Marshall, inseridas numa região, o Pacífico Ocidental e Central, que possui metade das reservas de atum do mundo.

Este país é 98% água. Estamos nas Ilhas Marshall, uma pequena república no Pacífico, a meio caminho entre a Austrália e o Havai.

Esta região, o Oceano Pacífico Central e Ocidental, fornece metade do atum do mundo

Isso transforma o Atol de Majuro, onde fica a capital das Ilhas Marshall, no porto de transbordo de atum mais movimentado do mundo.

Estamos com uma equipa de inspetores marshaleses, encarregados de manter a pesca sob controlo. Os riscos são elevados: se as reservas de atum se esgotarem, esta nação e os vizinhos do Pacífico perderão o recurso natural vital - a chave para o desenvolvimento atual e a melhor esperança para um futuro mais próspero.

Aqui nas Ilhas Marshall, o atum é mais do que um simples peixe. É uma parte fundamental da economia e do modo de vida local. Agora os pequenos Estados insulares da Oceânia estão a enfrentar uma grande questão: Qual é o futuro do atum e das pessoas do Pacífico que dependem dele?

Visitamos uma embarcação está no mar há um mês a apanhar atum. Agora, ancorada no interior do atol, está a transferir o pescado congelado para um navio que o transportará para uma fábrica de conservas no estrangeiro. A autoridade das pescas monitoriza todo o processo.

Explica Stephen Domenden, responsável pelo embarque e inspeção das pescas: "Vamos atribuir um observador a cada embarcação. Assim, durante o transbordo, eles podem monitorizar a atividade e verificar a tonelagem a bordo. Todos os cercadores com rede de cerco estão cobertos a 100%. Quando abordamos a embarcação, falamos com o observador e verificamos se está tudo bem, se todos os documentos e tudo a bordo estão bem."

Esta supervisão rigorosa ajuda a manter a pesca sustentável, impedindo que os navios capturem mais atum do que as licenças permitem.

É uma tarefa difícil para uma pequena nação insular, mas as novas tecnologias tornam-na possível. O centro de monitorização em Majuro segue todos os navios de pesca, recebendo eletronicamente os registos de captura mesmo antes do início do transbordo.

Diz Glen Joseph, diretor da Autoridade dos Recursos Marinhos das Ilhas Marshall: "Para nós, é claro, é um meio de subsistência importante, não só do ponto de vista económico, mas também da nossa tradição e cultura. É o nosso quintal. Viram o que constitui as Ilhas Marshall - muito poucos recursos em terra, mas muitos recursos no oceano. É importante geri-los, sustentá-los e mantê-los a um nível em que as unidades populacionais sejam saudáveis".

Viram o que constitui as Ilhas Marshall - muito poucos recursos em terra, mas muitos recursos no Oceano.
Glen Joseph
Diretor da Autoridade dos Recursos Marinhos das Ilhas Marshall

A vasta pesca do Pacífico Ocidental e Central, que cobre um quinto da superfície da Terra, é gerida de forma mais sustentável do que qualquer outra pesca de atum a nível mundial. Este êxito deve-se à recolha de dados dos navios de pesca e aos inquéritos científicos, tal como às expedições de marcação do atum.

Gestão coletiva das pescas

As Ilhas Marshall e oito vizinhos concordaram em gerir a pesca coletivamente. Isto reduz a incerteza económica causada pela migração do atum e ajuda as pequenas nações a recuperar um maior controlo sobre os recursos naturais.

"No passado, não havia limites. Pagava-se o acesso e vinha-se pescar, quer se apanhasse um peixe, mil peixes ou um milhão de peixes. Mas ao impormos um limite, de repente o ónus recai sobre os pescadores - têm de se gerir dentro da quota que impusemos. Isso aumenta as receitas e permite financiar a construção de estradas, hospitais e escolas, tal como a criação de emprego e desenvolvimento económico para as ilhas."

As taxas de acesso à pesca representam metade das receitas do governo nas Ilhas Marshall, 70% em Kiribati e 80% em Tokelau. Mas o transbordo acrescenta pouco valor em terra, levando as Ilhas Marshall a investir em novos empreendimentos.

Algum atum congelado é pré-processado em Majuro antes de ser enviado para as fábricas de conservas. Estes barcos de pesca com palangre descarregam aqui grandes quantidades de atum refrigerado. Este é o peixe mais fresco, de qualidade sashimi, processado para ser enviado por via aérea no mesmo dia para os EUA, Canadá e Japão.

Nas instalações de processamento da Marshall Islands Fishing Venture, cada peixe é classificado por tamanho e qualidade, sendo o atum de qualidade superior cortado em lombos. Um sistema informático rastreia cada peça de peixe até ao navio de captura.

A desmancha do peixe, que exige precisão e rapidez, emprega trabalhadores locais e estrangeiros das Filipinas, China e outros países.

As Ilhas Marshall estão incluídas no projeto FISH4ACP, co-financiado pela União Europeia, que melhora todas as fases da cadeia de valor do atum. O setor pretende cumprir as normas necessárias para entrar no mercado europeu, compensando a instabilidade dos preços do peixe na região.

"O preço está a descer agora, os preços são muito baixos em todas as áreas. Por isso, precisamos de mais mercados, como o mercado da UE", diz Lin Huihe, diretor-geral da Marshall Islands Fishing Venture

A ameaça das alterações climáticas

"Os pequenos Estados insulares do Pacífico têm trabalhado arduamente para salvaguardar a saúde das unidades populacionais de atum, que são o seu ganha-pão. Mas os esforços podem ser prejudicados por algo que está fora do controlo: os efeitos a longo prazo das alterações climáticas."

Apesar de quase não contribuírem para as emissões globais, os habitantes das ilhas do Pacífico são altamente vulneráveis aos impactos das alterações climáticas. A subida do nível do mar provoca erosão costeira e inundações, e os fenómenos meteorológicos extremos são cada vez mais frequentes.

A vida sob a superfície do oceano também está a sofrer. Os recifes de coral enfrentam a ameaça de branqueamento, prejudicando os ecossistemas marinhos. As Ilhas Marshall estão a criar áreas protegidas para ajudar as espécies locais a adaptarem-se e a sobreviverem.

Há também uma preocupação crescente de que as alterações climáticas possam empurrar o atum para fora das águas nacionais, para o alto mar, onde a pesca descontrolada não traria benefícios para os Estados insulares.

"Com os efeitos das alterações climáticas, há hipóteses de o atum migrar para longe e haverá menos hipóteses de produção de atum se essa altura chegar - e esperamos que não chegue", diz Bryant J. Zebedy, responsável pela Rede de Áreas Protegidas das Ilhas Marshall.

Num cenário de emissões elevadas, as capturas de atum nos Estados insulares do Pacífico podem diminuir 20% até 2050, ameaçando as receitas públicas.

Diz Glen Joseph, "Obviamente, isso será desastroso. Com base no bom trabalho que fizemos até agora, conseguimos chegar ao nível de benefício que está a acontecer agora, mas tememos que o impacto das alterações climáticas possa anular tudo."

Para os habitantes das ilhas do Pacífico, o oceano é a sua casa e o futuro depende da saúde do oceano hoje.

“Daqui a dez, vinte ou cinquenta anos - não vou falar por essa época, mas estamos a tentar garantir que essas pessoas no futuro possam viver e prosperar com os seus recursos como marshaleses", conclui Bryant J. Zebedy.

Partilhe esta notícia