EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Quais os riscos para a saúde ao trabalhar durante uma vaga de calor?

Quais os riscos para a saúde ao trabalhar durante uma vaga de calor?
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Jeremy Wilks
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Desde guias turísticos a agricultores, milhões de trabalhadores têm de trabalhar ao ar livre, mesmo durante vagas de calor. O que acontece dentro do nosso corpo e que perigos enfrenta a nossa saúde?

PUBLICIDADE

Este mês no Climate Now, viajamos até à Grécia para conhecer cientistas que investigam os riscos do calor extremo no local de trabalho.

O Serviço de Alterações Climáticas Copernicus publicou os seus dados mais recentes, onde é mostrado que março de 2024 foi o março mais quente de que há registo a nível global, com temperaturas 0,7 graus Celsius acima da média de 1991-2020 e 2,2 graus acima da média europeia.

Em março, as temperaturas médias globais foram 0,7ºC superiores à média de 1991-2020. Dados do Serviço de Alterações Climáticas Copernicus implementados pelo ECMWF
Em março, as temperaturas médias globais foram 0,7ºC superiores à média de 1991-2020. Dados do Serviço de Alterações Climáticas Copernicus implementados pelo ECMWFeuronews

A Alemanha e os Países Baixos tiveram o mês de março mais quente desde que há registo. No leste dos Estados Unidos e no Canadá, a temperatura esteve muito acima da média. Enquanto isso, algumas zonas da Califórnia registaram temperaturas invulgarmente frias e neve. As temperaturas da superfície do mar a nível mundial continuam a registar níveis recorde nas zonas não polares.

Comparação da anomalia da temperatura de março de 2024 com os dados desde a década de 1940. Dados do Serviço de Alterações Climáticas Copernicus implementados pelo ECMWF
Comparação da anomalia da temperatura de março de 2024 com os dados desde a década de 1940. Dados do Serviço de Alterações Climáticas Copernicus implementados pelo ECMWFeuronews

O gráfico do Copernicus das anomalias da temperatura do ar, com dados desde a década de 1940, mostra que a temperatura aumentou mais de 1,5 graus do que a média pré-industrial nos primeiros três meses de 2024. Os dados relativos a março correspondem assim ao décimo mês de dez meses consecutivos com temperaturas recorde.

Sul da Europa regista precipitações acima da média em março de 2024. Dados do Serviço de Alterações Climáticas Copernicus implementados pelo ECMWF
Sul da Europa regista precipitações acima da média em março de 2024. Dados do Serviço de Alterações Climáticas Copernicus implementados pelo ECMWFeuronews

O problema crescente do stresse por calor

Muitos trabalhadores em todo o mundo enfrentam atualmente o problema do stresse por calor no local de trabalho. No passado, a questão era associada aos trabalhadores da construção civil e aos operários, mas hoje a investigação mostra que está em causa uma vasta camada da população, desde jornalistas e subscritores de seguros a equipas de teatro de verão e guias turísticos.

Androniki Miliou oferece visitas guiadas ao património mundial de Meteora, na Grécia central, e diz à Euronews que nos meses de verão as temperaturas podem ser difíceis de aguentar: "Muitas vezes, a temperatura é de 35 graus Celsius ou mais, o que é bastante complicado. Por norma, temos de esperar muito tempo nas escadas para subir aos mosteiros, e isso não nos ajuda, nem a nós nem às outras pessoas, a lidar com a situação."

Nos dias mais quentes, também perde dinheiro: "Quando o calor é insuportável os sítios arqueológicos costumam encerrar, porque nós não aguentamos e as pessoas também não", afirma.

O que acontece no nosso corpo quando aquecemos demasiado?

Na cidade de Trikala, na Universidade de Tessália, um grupo de investigação liderado pelo professor Andreas Flouris está a estudar os efeitos do calor no corpo no local de trabalho. O professor Flouris faz parte de uma iniciativa importante na Grécia para chamar a atenção para o problema do stresse por calor, que até levou a que o serviço nacional de meteorologia publicasse online aquilo que é conhecido como temperatura WBGT, um indicador da sensação de calor com base na radiação, temperatura e humidade.

Falámos com ele enquanto estudava o agricultor Athanasios Peristeris, equipando-o com sensores para medir o consumo de energia e a temperatura exterior e interior do seu corpo.

"Por um lado, precisamos de saber o que acontece no exterior do corpo – chamemos-lhe casca – mas também no interior, que tem uma grande influência na temperatura do cérebro", diz o professor Flouris.

A próxima etapa consiste em Peristeris levar a cabo trabalho manual pesado numa sala com uma temperatura semelhante à das ondas de calor e lâmpadas que simulam a luz do sol. Enquanto Peristeris trabalha, 85 % da sua energia transforma-se em calor e o corpo aquece, incluindo o cérebro.

"Ao fazer este tipo de trabalho, a temperatura interior dele sobe. E se subir acima dos 39 a 39,5 graus Celsius, a temperatura do cérebro irá começar a afetar o funcionamento do sistema nervoso. A dada altura, o cérebro entra em colapso e isso resulta numa condição que pode levar à morte, o chamado golpe de calor", explica o professor Flouris.

Esta investigação mostra que o cérebro e o sistema nervoso são as partes do nosso corpo mais sensíveis ao calor: "Não são os rins, não são os pulmões, não é o coração, embora estes também sejam afetados. O sistema nervoso central é o primeiro a entrar em colapso."

Quando trabalha no verão, Peristeris evita as horas mais quentes do dia. No entanto, diz-nos que o calor o faz sentir-se mal por vezes.

"A sensação que o calor me traz é de desconforto, dor no peito, algo como um peso na zona frontal e dificuldade em respirar", diz.

Estes sintomas são o primeiro sinal de alerta. Quando o cérebro e o corpo aquecem demasiado, os trabalhadores devem parar, descansar, beber água e procurar sombra. Se o fizerem, preservarão a sua saúde e também a sua produtividade, segundo o professor Flouris.

"Uma questão muito importante a compreender é que o calor não beneficia ninguém. Nem os trabalhadores, que veem a sua saúde prejudicada, nem os empregadores, que perdem várias coisas, vários benefícios financeiros, graças às perdas de produtividade.

Mas verificámos que, com soluções simples e práticas, não se perde qualquer produtividade. De facto, ganha-se produtividade em vez de se perder", conclui.

Partilhe esta notícia