EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Estes países europeus poderão perder mais de 30 dias de tempo ameno por ano até 2100

Um homem descansa durante uma vaga de calor em Madrid, Espanha, no ano passado.
Um homem descansa durante uma vaga de calor em Madrid, Espanha, no ano passado. Direitos de autor AP Photo/Manu Fernandez
Direitos de autor AP Photo/Manu Fernandez
De  Rosie Frost
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os investigadores do MIT desenvolveram uma forma inovadora de medir o impacto do aquecimento global na vida real.

PUBLICIDADE

Para a maioria das pessoas, não é fácil decifrar o impacto do aumento das temperaturas na sua vida quotidiana. É difícil imaginar um aquecimento global de 1,5ºC ou 2ºC em média.

Para tentar resolver este problema, investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) criaram uma forma inovadora de medir esta mudança na vida real e prever os seus efeitos a longo prazo.

Utilizando dados de 50 modelos climáticos diferentes, traçaram um mapa de como o número de "dias ao ar livre" em vários destinos do mundo irá aumentar ou diminuir até 2100.

Estes "dias ao ar livre" referem-se a períodos de 24 horas em que as temperaturas são suficientemente agradáveis para que a maioria das pessoas possa realizar atividades ao ar livre, quer sejam de trabalho ou de lazer. São dias em que não está demasiado quente nem demasiado frio, o que os cientistas consideram ser aproximadamente entre 10ºC e 25ºC, e em que não ocorrem fenómenos meteorológicos extremos.

Uma ferramenta em linha desenvolvida por investigadores do MIT também permite que as pessoas definam o seu próprio intervalo de temperatura ao verificarem os dados do seu país com base no que consideram ser um clima ameno.

O estudo do MIT concluiu que os destinos tropicais registarão as maiores alterações nos dias ao ar livre. A República Dominicana será o país mais afetado, perdendo 124 dias de tempo ameno por ano até ao final do século. O México, a Índia, a Tailândia e o Egipto perderão metade dos seus dias ao ar livre.

Os investigadores apontam também para uma divisão entre o Norte Global, que ganhará mais dias de tempo ameno, e o Sul Global, que perderá mais, apesar de ter emitido menos gases com efeito de estufa. As diferenças em locais como o Bangladesh ou o Sudão são notórias, afirmam.

Onde é que a Europa perderá mais "dias ao ar livre" até 2100?

Há também uma divisão norte-sul na Europa no que respeita aos dias ao ar livre. No Norte, haverá mais dias com um clima confortável à medida que os invernos aquecem, enquanto que no Sul o calor extremo durante os meses de verão fará com que o número de dias ao ar livre diminua.

De acordo com os dados do MIT, os Balcãs serão provavelmente uma das regiões mais afetadas da Europa. A Albânia perderá 30 dias, a Sérvia 26 dias, a Croácia 22 dias, a Macedónia do Norte 21 dias, a Bulgária 17 dias, o Kosovo 19 dias e a Roménia 12 dias.

Um pouco mais a sul, a Grécia poderá perder 37 dias de ar livre por ano até 2100 devido ao calor extremo entre maio e setembro, segundo o estudo do MIT.

A Península Ibérica também sofrerá alterações, com Portugal a registar menos 33 dias ao ar livre e Espanha 13.

Os investigadores afirmam que a disparidade na Europa já se faz sentir e que as pessoas estão a escolher para onde viajar com base no calor cada vez mais extremo em destinos anteriormente populares.

Embora seja provável que os países do Norte da Europa ganhem dias ao ar livre devido às alterações climáticas, nem tudo são boas notícias.

A França, a Alemanha e a Áustria ganharão entre 18 e 52 dias de tempo confortável até 2100 - em grande parte devido a Invernos mais quentes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Temperaturas na Europa estão a subir mais rápido do que noutros continentes

Alterações climáticas: glaciares austríacos em risco de desaparecer nos próximos 45 anos

2023 foi o ano mais quente de que há registo, segundo a Organização Meteorológica Mundial