EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Política da UE. Comissário europeu para a Economia sem arrependimentos apesar da reação negativa ao Pacto Ecológico

Painelistas no Fórum Económico de Bruxelas 2024, na Bélgica
Painelistas no Fórum Económico de Bruxelas 2024, na Bélgica Direitos de autor European Commission
Direitos de autor European Commission
De  Jack Schickler
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Com a aproximação de novas eleições, os altos funcionários da Comissão Europeia não se arrependem de ter feito das alterações climáticas uma prioridade do seu mandato de cinco anos.

PUBLICIDADE

O principal responsável económico da Comissão Europeia não se arrepende de ter colocado as alterações climáticas no centro da sua agenda política, ouviram esta quinta-feira os participantes no Fórum Económico de Bruxelas.

Com a crescente reação contra as políticas ecológicas da UE e com as sondagens a preverem uma viragem à direita nas próximas eleições europeias, há quem se preocupe com o facto de a agenda ambiental de Bruxelas estar em risco.

A Europa tem sido assolada por protestos, liderados por agricultores preocupados com o impacto das regras ambientais da UE no sector agrícola - enquanto o destino da Lei de Restauração da Natureza do bloco parece agora incerto.

Mas os responsáveis não se arrependem da sua escolha de dar destaque à política de alterações climáticas.

"Perguntemo-nos se lamentamos a decisão tomada há quatro ou cinco anos, de ter o pacto ecológico como o principal tema da Comissão von der Leyen: a minha resposta é não", disse o comissário europeu para a Economia da UE, Paolo Gentiloni, sobre o mandato de cinco anos que começou no final de 2019.

Gentiloni referiu-se à "urgência da crise climática", citando dados de satélite que mostram que as temperaturas globais já ultrapassaram o limite de 1,5 graus Celsius acordado internacionalmente.

Mas o ministro das Finanças grego, Kostis Hatzidakis, indicou que ainda há margem de manobra para reconsiderar, pelo menos parcialmente, os planos ambientais da UE.

"Não creio que devamos recuar nos objetivos globais que estabelecemos", disse Hatzidakis, depois de Bruxelas ter legislado no sentido de reduzir as emissões de carbono em 55% até 2030.

Mas, acrescentou, há áreas em que o bloco deve "reavaliar o ritmo da transição e rever as políticas seguidas: a agricultura pode ser um exemplo caraterístico".

Gentiloni citou centenas de milhares de milhões de euros de investimento necessários todos os anos para cumprir os objectivos ecológicos e digitais do bloco - que poderiam ser financiados por um objetivo há muito defendido de reforçar os mercados de capitais da UE, ou através da ideia igualmente controversa de financiamento público a partir de empréstimos conjuntos da UE.

No entanto, se a Europa não está a responder ao desafio climático, muitos atribuem a culpa às próprias regras de Bruxelas - afirmando que as restrições recentemente aprovadas aos défices orçamentais sufocam o investimento público, sinalizando um regresso à austeridade.

As novas regras orçamentais da UE, lideradas por Gentiloni, são "uma prova clara da falta de visão", disse Tea Jarc, da Confederação Europeia de Sindicatos, acrescentando que as leis, que entraram em vigor a 30 de abril, continuam a ser uma "má opção", ainda que melhor do que as anteriores restrições "muito más".

O Pacto Ecológico "não é uma prioridade se não estivermos dispostos a investir nele", afirmou Jarc: "Não podemos continuar a enganar as pessoas".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sondagem exclusiva Euronews: grande coligação pró-UE enfrenta dificuldades, mas ainda está viva

Comissão Europeia prevê descida da inflação apesar do aumento do preço do petróleo

Habitação na Europa: é maior o número de proprietários ou de arrendatários?