EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Exército europeu não seria mais eficaz que NATO, diz analista

Exército europeu não seria mais eficaz que NATO, diz analista
Direitos de autor 
De  Isabel Marques da Silva com Reuters, Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Por causa da atual crise russo-ucraniana, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reabriu o debate sobre a criação de um exército europeu. O analista do Instituto Francês de Relações I

PUBLICIDADE

Existe uma cláusula de defesa mútua no Tratado de Lisboa, mas a ideia de criar uma espécie de forças armadas comuns da União Europeia (UE) tem sido muito polémica ao longo de décadas.

Por causa da atual crise russo-ucraniana, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reabriu o debate ao defender a criação de um exército europeu, numa entrevista publicada, domingo, no semanário alemão ‘Welt am Sonntag’.

Consultado pela euronews, o analista do Instituto Francês de Relações Internacionais,Vivien Pertusot, disse que “os 28 países não partilham a mesma análise relativamente às ameaças e à forma como se lhes deve responder”.

“Logo, a ideia de Jean-Claude Juncker de ter um exército europeu para, assim, poder criar uma efetiva política de segurança e defesa é algo funcionalista. Isto é, em vez de resolver um problema, tenta impôr uma solução para tentar resolver o problema”, acrescentou.

Juncker diz que é um instrumento para conseguir que a UE seja mais respeitada, mas sem representar uma concorrência para a NATO; até porque apenas 22 dos 28 Estados-membros fazem parte desse aliança.

Vivien Pertusot referiu que “honestamente, questiono em que é que seria mais dissuasor do que o artigo da NATO sobre defesa mútua que temos em vigor. Não seria mais dissuasivo porque, provavelmente, seria mais caótico em termos de tomada de decisão e de organização. Seria extremamente complicado”.

Prova disso é que, apesar de haver batalhões de reação rápida da UE para enfrentar crises, nunca foram usados. Na crise do Mali, em 2013, por exemplo, a França acabou por avançar sozinha.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líderes da União Europeia debatem segurança e defesa

Ativista italiana candidata às eleições europeias passa para prisão domiciliária na Hungria

Partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha expulso do grupo Identidade e Democracia