Liderar ONU: Georgieva é adversária de peso de Guterres

Liderar ONU: Georgieva é adversária de peso de Guterres
Direitos de autor 
De  Isabel Marques da Silva com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Até agora grande favorito, o português António Guterres tem uma nova adversária de peso na corrida à liderança das Nações Unidas, na pessoa da búlgara Kristalina Georgieva, vice-presidente da Comissão

PUBLICIDADE

Até agora grande favorito, o português António Guterres tem uma nova adversária de peso na corrida à liderança das Nações Unidas (ONU).

Kristalina Georgieva, a atual vice-presidente da Comissão Europeia com a pasta do Orçamento e Recursos Humanos, foi nomeada, esta quarta-feira, pela Bulgária, que até agora apoiava Irina Bokova, que dirige a UNESCO.

Guterres, que foi Alto-Comissário da ONU para os Refugiados durante uma década (2005-2015), ficou em primeiro lugar nas cinco votações secretas dos 15 membros do Conselho de Segurança da ONU.

A 5 de outubro decorrerá mais uma votação para nomear o secretário-geral da organização, que substituirá Ban Ki-moon.

Nessa altura, cada um dos cinco países que são membros permanentes (China, Rússia, Estados Unidos da América, França e Reino Unido), e têm poder de veto, vão anunciar o nome que apoiam.

Mas o candidato deverá reunir no mínimo nove votos, isto é, conquistar, também, o apoio de pelo menos quatro dos restantes 10 membros não-permanentes (Angola, Egipto, Espanha, Japão, Malásia, Nova Zelândia, Senegal, Ucrânia, Uruguai e Venezuela).

Portugal está “sereno”

O governo português diz estar confiante e sereno face ao desempenho de António Guterres em todo o processo desde fevereiro.

Em reação à Lusa, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse que a candidatura de Guterres foi “transparente e a tempo”, por isso, vê esta nova candidatura com “serenidade”.

O Presidente de Portugal também reagiu aos jornalistas: “Por princípio, Portugal respeita e saúda todas as candidaturas. No entanto, eu tive um pouco aquela sensação de estar a ser corrida uma maratona e de repente aparecer um concorrente que entra nos últimos 100 metros para tentar ganhar a maratona”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Georgieva tem o apoio de Merkel

Kristalina Georgieva tem o importante apoio da chanceler alemã, Angela Merkel, e tem sido apontada como uma das personalidades que mais predicados reúne face aos apelos para que o próximo líder da ONU seja uma mulher e oriundo de um país da Europa de Leste (o que nunca aconteceu nos 70 anos da organização).

Além disso, como ex-alta funcionária de uma entidade da ONU – o Banco Mundial -, Kristalina Georgieva conhece bem os meandros da organização.

Questionada pela delegação em Bruxelas do site de notícias “Politico” sobre as suas qualidades para o cargo, Kristalina Georgieva disse que “olho para o mundo na sua complexidade. Tenho a capacidade de ver como as coisas estão interligadas”.

A Comissão Europeia concedeu uma licença sem vencimento à vice-presidente para esta poder candidatar-se à liderança das Nações Unidas, tendo a sua pasta sido atribuída, temporariamente, ao colega alemão, Gunther Oettinger.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líderes da UE sob pressão de Zelenskyy para reforçar as defesas aéreas da Ucrânia

Debate sobre o futuro do Pacto Ecológico reacende profundas divisões

"O sangue das crianças palestinianas está nas vossas mãos!": homem interrompe von der Leyen