Reenvio de requerentes de asilo a país de entrada será reposto

Reenvio de requerentes de asilo a país de entrada será reposto
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Dentro de três meses, os requerentes de asilo que cheguem a um país da União Europeia têm de aguardar aí por relocalização oficial, sem poderem atravessar as fronteiras.Caso contrário, os outros paíse

PUBLICIDADE

Dentro de três meses, os requerentes de asilo que cheguem a um país da União Europeia têm de aguardar aí por relocalização oficial, sem poderem atravessar as fronteiras.

Caso contrário, os outros países europeus para onde foram sem autorização poderão reenviá-los ao ponto de partida.

O comissário europeu para a Imigração, Assuntos Internos e Cidadania, Dimitris Avramopoulos, explicou aos jornalistas, esta quinta-feira, em Bruxelas, que “os requerentes de asilo precisam de perceber que não podem mudar de país à sua vontade”.

“Se o fizerem, serão reenviados ao país de entrada. A relocalização e reinstalação serão definidas oficialmente para que se possam fazer em segurança”, acrescentou o comissário.

A maioria dos requerentes de asilo chegam via Grécia e Itália, mas o esquema de relocalização europeu tem sido um fracasso.

Pouco mais de oito mil casos foram processados, dos 160 mil previstos para o período entre setembro de 2015 e setembro de 2017.

Dimitris Avramopoulos fez a ressalva de que “a regra só se aplica a certas categorias de migrantes: os candidatos vulneráveis e os menores não acompanhados não serão reenviados para a Grécia”.

Esta regra de reenvio ao país de entrada na União Europeia, no âmbito do Regulamento de Dublin, tinha sido suspensa em 2011, devido a erros no sistema de processamento de refugiados.

Contudo, os dois principais países de entrada de refugiados continuam numa situação muito frágil, especialmente a Grécia, que tem cerca de 60 mil refugiados em campos e centros de acolhimento, com um ritmo muito lento de processamento dos casos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE e Reino Unido chegam a acordo sobre "grandes linhas políticas" relativamente a Gibraltar

"Estado da União": Acórdão sobre clima e acordo sobre migração

Bélgica investiga rede russa suspeita de pagamentos a eurodeputados