EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Eurodeputados da ALDE rejeitam aliança com Bebbe Grillo

Eurodeputados da ALDE rejeitam aliança com Bebbe Grillo
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Foi sol de pouca dura, o "namoro" entre fações aparentemente antagónicas - Europeístas, uns, eurocéticos, outros.

PUBLICIDADE

Caiu por terra o projeto de acordo entre a Aliança Liberal e Democrata europeia (ALDE) de Guy Verhofstadt e e o Movimento 5 Estrelas de Beppe Grillo. O acordo, que previa uma entrada dos eurodeputados do movimento de Grillo para o grupo da ALDE, foi rejeitado. A deputada liberal francesa Sylvie Goulard é uma das maiores críticas: “Para mim, não são pró-europeus, são anti-europeus. Jogam com os sentimentos nacionalistas, acham que a Europa se deve dividir entre norte e sul. O problema não é a Alemanha se está no sul, nem o sul se está na Alemanha. O problema é ter os interesses comuns em consideração”.

12 rather than 5 stars – Why I am against the Italian Five Star MEPs potentially joining the ALDE group https://t.co/Hkt1iXYG98

— Sylvie Goulard (@GoulardSylvie) 8 January 2017

O movimento de Grillo estava até agora ligado ao UKIP de Nigel Farage no grupo Europa da Liberdade e da Democracia Direta (EFDD). O ex-comediante italiano justificou esta viragem com o facto de só ter votado em concordância com o UKIP em 20% das questões e de o grupo ter perdido a razão de existir depois da votação para o Brexit.

Verhofstadt foi criticado por ter ponderado este acordo, que teria feito a ALDE tornar-se na terceira força no Parlamento Europeu. Poderia também ser uma manobra do ex-primeiro-ministro belga para ter mais votos nas eleições para presidente do parlamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Meloni encontra-se com Orbán para discutir programa da presidência húngara do Conselho da UE

Região russa do Daguestão decreta três dias de luto após ataques que mataram 20 pessoas

UE contorna Hungria e vai enviar 1,4 mil milhões de euros para Ucrânia