This content is not available in your region

Juncker apresentou Livro Branco sobre futuro da União

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva  com LUSA
Juncker apresentou Livro Branco sobre futuro da União

Cinco cenários para lançar o debate sobre o Futuro da União Europeia (UE), no ano em que celebra 60 anos de vida e se prepara para o Brexit. Esta é a proposta da Comissão Europeia, contida num Livro Branco, apresentado sumariamente, esta quarta-feira, aos eurodeputados, em Bruxelas.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que “a Europa é mais do que poder, bens e dinheiro. O mercado interno e o euro não são objetivos em si mesmos, têm de servir o indivíduo e a comunidade, mas há governos que querem reduzir o papel da União Europeia e da Comissão Europeia a um mero gestor do mercado interno. Sou absolutamente contra isso”.

São propostas que se juntam às três resoluções sobre o mesmo tema aprovadas, em fevereiro, pelo Parlamento Europeu. A julgar por algumas reações, há muito debate a fazer.

“Desafio Jean-Claude Juncker a visitar, a poucos quilómetros daqui, vários bairros de Bruxelas com estes documentos para ver quão capaz é de entusiasmar os cidadãos. Não acredito que tenha muitas probabilidades de ser bem sucedido”, disse o co-líder dos Verdes, Philippe Lamberts.

Definir o que é de competência europeia ou de competência nacional deve ser uma prioridade, segundo a Esquerda Unitária.

Um dos seus membros, Fabio de Masi, refere que “há domínios em que a UE deve intervir, por exemplo, no domínio da justiça fiscal. Mas não deve intervir, por exemplo, no abastecimento de água dos Estados-Membros e forçá-los a privatizar os bens públicos. Não deve criar um mercado interno que se pareça com os acordos de livre comércio, tais como o TTIP ou o CETA, em que entramos em concorrência com base em piores salários ou padrões ambientais”.

O Livro Branco estabelece cinco cenários:

- Assegurar a continuidade do trabalho feito até aqui – A UE passa a restringir-se ao mercado único – Os Estados-membros que querem fazer mais, avançam mais depressa – A UE irá fazer menos, mas com maior eficiência – A UE faz muito mais e em conjunto, num modelo federalista

A Comissão Europeia quer envolver os governos e os cidadãos dos 27 países no debate, ao longo dos próximos meses, devendo apresentar conclusões no discurso do Estado da União, em setembro.

O debate está ser feito por ocasião do 60 anos do Tratado de Roma, assinado a 25 de março, que lançou as bases do que é hoje a UE. Algumas propostas poderão ser testadas nas próximas eleições para o Parlamento Europeu, em junho de 2019.