EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Puigdemont confirma a Torrent que quer liderar o governo da Catalunha

Puigdemont confirma a Torrent  que quer liderar o governo da Catalunha
Direitos de autor 
De  Isabel Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Apesar das dificuldades colocadas pelo seu auto-exílio na Bélgica, Carles Puigdemont confirmou ao recém-empossado Presidente do Parlamento catalão, Roger Torrent, que é candidato a chefe do governo.

PUBLICIDADE

Carles Puigdemont insiste em defender a sua candidatura a presidente do governo da Catalunha, apesar das dificuldades colocadas pelo seu auto-exílio na Bélgica. Foi isso que transmitiu ao recém-empossado presidente do Parlamento catalão, Roger Torrent, que o visitou, quarta-feira, em Bruxelas.

Mas o político não esclareceu se vai viajar para Barcelona, onde poderá ser detido, ou se faria um discurso de tomada de posse usando, por exemplo, a teleconferência.

"A tomada de posse ideal é a presencial, é o que todos queremos e devem ser dadas as condições para que possa acontecer. Essa é a nossa vontade política mas, logicamente, há outras maneiras de o fazer", disse Carles Puigdemont aos jornalistas, no final da reunião.

A visita do presidente do Parlamento catalão foi marcada por um incidente: teve de ser realizada na sede um partido representado no Parlamento Europeu porque o governo espanhol encerrou a representação da Catalunha em Bruxelas.

"É ultrajante que o presidente do Parlamento da Catalunha não possa ter reuniões na delegação porque esta se encontra literalmente encerrada. Pedi aos serviços jurídicos do Parlamento que estudem as consequências jurídicas desta decisão arbitrária do Estado espanhol", afirmou Roger Torrent.

O governo espanhol decidiu enviar todos os funcionários da delegação catalã para casa, até novo aviso. Delegações da Catalunha noutros países estão também encerradas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vários feridos em confrontos na Catalunha por causa de visita do Rei

O infinito impasse político da Catalunha

Puigdemont está na Dinamarca e corre risco de detenção.