"Infelizmente esta decisão obedece aos interesses de Israel"

"Infelizmente esta decisão obedece aos interesses de Israel"
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O ministro libanês dos Negócios Estrangeiros, Gebran Bassil, considera a decisão americana uma provocação e gostaria de ver a União Europeia desempenhar o papel de mediador "justo".

PUBLICIDADE

A inauguração da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém está a incendiar o Médio Oriente. A euronews recolheu a opinião do chefe da diplomacia libanesa, país que já travou várias guerras com Israel e onde o maior partido, o Hezbollah xiita, tem no Irão o principal aliado.

Damon Emblin, Euronews:

Vimos os Estados Unidos mudarem a embaixada para Jerusalém. O senhor descreveu a medida como uma provocação que, passo a citar, "conduz todos os caminhos da paz na região a um beco sem saída". Quis dizer o quê? Trata-se de uma ameaça?

**Gebran Bassil, Ministros libanês dos Negócios Estrangeiros:
**

Nós estamos sob ameaça, nós estamos a ser atacados. Nunca ameaçámos ninguém. Infelizmente esta decisão obedece aos interesses de Israel e não tem em consideração uma solução justa para o Médio Oriente. Nós vamos resistir, recusá-la e lutar se formos atacados. Nós vamos lutar pelos nossos valores.

Damon Emblin, Euronews:

E o que pensa que a União Europeia deveria fazer?

Gebran Bassil, Ministros libanês dos Negócios Estrangeiros:

Desempenhar o papel, inexistente, de mediador justo.

Damon Emblin, Euronews:

E o acordo nuclear com o Irão, Donald Trump decidiu acabar com ele enquanto a União Europeia pretende mantê-lo. Pensa que é o acordo certo?

Gebran Bassil, Ministros libanês dos Negócios Estrangeiros:

Eu acredito que a solução está no diálogo. Conversar e ultrapassar as diferenças é a solução.

Damon Emblin, Euronews:

Pensa que o acordo vai sobreviver, deseja a sua sobrevivência?

Gebran Bassil, Ministros libanês dos Negócios Estrangeiros:

Eu quero ver o Irão, um Estado implicado na paz, a caminho da prosperidade. A alternativa é que ao isolar o Irão, obriga o país a desenvolver métodos inovadores para se defender.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Esquerda europeia elege Walter Baier como candidato principal para as eleições de junho

Macron enfrenta manifestantes na Feira de Agricultura de Paris

Cólera dos agricultores em Espanha e França está para durar