EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Mês de junho mais quente de sempre

Mês de junho mais quente de sempre
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ano de 2019 também está entre os anos mais quentes, com vagas de calor extremo relacionadas com as alterações climáticas e com as emissões de gases com efeitos de estufa.

PUBLICIDADE

Os números oficiais confirmam: foi o mês de junho mais quente de sempre na Europa. A vaga de calor bateu recordes em vários países, com os termómetros a subir até aos 45º C. As temperaturas médias estiveram 2°Celsius acima do normal.

O final de mês de junho foi excepcionalmente quente comparado com a média durante o período de referência de 1981 a 2010. Assistiram-se a temperaturas de 6 a 10°C acima do normal na maior parte de França e Alemanha, norte da Espanha, norte da Itália, Suíça, Áustria e República Checa. Os altos níveis de ozono, medidos pelo Serviço de Monitorização das Alterações Climáticas Copernicus, contribuiram para o calor.

"Há coisas que podem ser feitas em relação às fontes de emissões. É por isso que em várias cidades - de França, mas também de outros países da Europa - existem restrições ao tráfego e é exatamente isso que precisa de ser feito. Se reduzirmos as emissões de ozono é possível aliviar o problema. A curto prazo, para evitar que as coisas se agravem, uma boa medida é reduzir o trânsito." explica Vincent-Henri Peuch, do Serviço de Monitorização das Alterações Climáticas Copernicus.

As alterações climáticas terão, provavelmente, adicionado 4°C à onda de calor, segundo um estudo da Estudo da World Weather Attribution. E a Organização Meteorológica Mundial disse que 2019 está entre os anos mais quentes, com extremos de calor ligados às consequências das emissões de gases com efeitos de estufa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eurosatory 2024: já arrancou em Paris a maior feira de armamento do mundo

Tragédia dupla no mediterrâneo: naufrágio de dois barcos de migrantes faz 12 mortes

Líderes da UE debatem cargos de topo e António Costa está no pacote