EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

UE fecha porta a dois países, pelo menos até maio de 2020

UE fecha porta a dois países, pelo menos  até maio de 2020
Direitos de autor REUTERS/Johanna Geron
Direitos de autor REUTERS/Johanna Geron
De  Isabel Marques da Silva com Lusa
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Três países da União Euuropeia bloquearam a abertura das negociações com a Albânia e a Macedónia do Norte com vista à entrada no bloco, como recomendou a Comissão Europeia e esperava o presidente do Conselho Europeu.

PUBLICIDADE

Depois do sucesso no acordo do Brexit, a cimeira da União Europeia acabou ensombrada por impasses ao nível do debate sobre o futuro orçamento da União Europeia e sobre o alargamento.

Este segundo tema foi repescado na sexta-feira, depois de conversações no dia anterior, mas três países bloquearam a abertura das negociações com a Albânia e a Macedónia do Norte com vista à entrada no bloco, como recomendou a Comissão Europeia e esperava o presidente do Conselho Europeu.

"Hoje gostaria de enviar uma mensagem aos nossos amigos da Macedónia do Norte e da Albânia: por favor, não desistam! Compreendo perfeitamente a vossa frustração, porque fizeram a vossa parte e nós não", disse Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu.

À muito reticente França, juntaram-se a Holanda e a Dinamarca, num bloqueio que exasperou o presidente da Comissão Europeia.

"Este é um erro monumental, de proporções históricas! Espero que seja algo passageiro e que não se enraíze na nossa memória coletiva como um erro histórico", afirmou Jean-Claude Juncker.

Macron quer reformar a UE primeiro

Os líderes comprometem-se a analisar a questão para tentar chegar a consenso até à cimeira de Zagreb, na Croácia, em maio de 2020. A Croácia vai ter a presidência rotativa da União a partir de janeiro e convencer a França será o mais difícil.

"A União não está a funcionar muito bem com 28 países e não me parece que funcionará melhor quando formos 27. Não tenho a certeza que funcionará melhor se alargarmos para 30. Por isso, repito, antes de cada alargamento efetivo - embora agora se tratasse apenas de abrir as negociações -, a União tem de se reformar", disse o presidente Emmanuel Macron.

Tal como o seu homólogo da Macedónia do Norte, o primeiro-ministro da Albânia, Edi Rama, deslocou-se por estes dias a Bruxelas e mostrou-se desiludido com o novo adiamento da promessa.

"Há uma luta interna na União Europeia em diferentes abordagens. E sofremos os potenciais danos colaterais dessa luta interna", explicou Rama à euronews.

Ao contrário do presidente francês, o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, considera que mais um compasso de espera é um erro porque a região dos Balcãs é frágil e que não se devem defraudar legítimas expetativas que foram criadas com as promessas da União.

"Aquilo que estamos a decidir não é se no dia de hoje a Albânia ou a Macedónia do Norte preenchem as condições para amanhã entrarem na UE. O que estamos a discutir é se, de acordo com os critérios que estão definidos e avaliação que foi feita pela comissão, há condições para iniciar as negociações do processo de adesão", disse Costa, recordando que Portugal demorou dez anos a entrar na União depois de ter começado as negociações oficiais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Angela Merkel defende alargamento da UE aos Balcãs

UE adia decisão sobre negociações para alargamento

Partido Trabalhista britânico apresenta plano de “renovação nacional” na abertura do Parlamento