EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

União Europeia teme ressurgimento do Daesh

União Europeia teme ressurgimento do Daesh
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Líderes europeus e especialistas alertam para o facto de a morte do líder do Daesh não significar o fim da ameaça terrorista.

PUBLICIDADE

A morte de Abu Bakr al-Baghdadi, anunciada no passado domingo, deixou o autoproclamado Estado Islâmico sem liderança. Mas, apesar da notícia e de um decréscimo no número de ataques na Europa, as autoridades da União Europeia avisam que o grupo terrorista não foi extinto e a ameaça permanece viva.

Gilles de Kerchove, coordenador da Unidade de Antiterrorismo da União Europeia, afirma que "pode haver retaliação por parte de pessoas que queiram vingar o líder", razão que leva os serviços de a "estar muito mais vigilantes, estes dias". Mas o especialista alerta para o facto de "a médio prazo, a questão que se põe é se iremos conseguir evitar o ressurgimento do Daesh".

A União Europeia estima que, só na Síria e no Iraque, haja mais de nove mil combatentes do Daesh. Entre os militantes, muitos têm passaporte europeu e podem querer voltar para casa.

"Julgamos haver cerca de 500 europeus, homens e mulheres, detidos na Síria, mas também estimamos haver por volta de 1400 crianças com um ou os dois pais com cidadania da União Europeia", afirmou o comissário para a Segurança da União Europeia, Julian King.

A questão do repatriamento destas crianças impõe-se agora aos líderes europeus, ainda com muitas dúvidas sobre como gerir a radicalização dos pais.

Os atentados em Paris e Bruxelas, em 2015 e 2016, foram realizados por habitantes locais. E só depois desses ataques é que os governos aumentaram as penas para condenações por terrorismo.

Claude Moniquet, do Centro de Inteligência Estratégica e Segurança, avisa que "vamos ver, talvez nos próximos 12 meses, a libertação de centenas de pessoas condenadas e presas há cinco a sete anos. E agora vão sair. E a maioria dessas pessoas não mudou de opinião, portanto, vão continuar a representar uma ameaça".

Esta terça-feira, Donald Trump anunciou no Twitter mais uma morte, desta vez do iraquiano Abdullah Qardash, apontado como o sucessor de al-Baghdadi na chefia do Daesh.

Os Estados Unidos celebram as vitórias contra o autoproclamado Estado Islâmico, mas entre os Estados-Membros, o alívio é para já moderado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA dizem que líder do Daesh está morto. Rússia diz que não há provas

Reino Unido tenta recuperar "filhos do Daesh"

Governo esloveno reconhece Estado palestiniano enquanto aguarda a aprovação do Parlamento