EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Bruxelas insta Polónia a não abandonar Convenção de Istambul

Bruxelas insta Polónia a não abandonar Convenção de Istambul
Direitos de autor Czarek Sokolowski/AP
Direitos de autor Czarek Sokolowski/AP
De  Isabel Marques da SilvaDarren McCaffrey
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O partido Lei e Justiça, que está no poder, nega que a decisão já tenha sido tomada, alegando que não é uma posição comum e refere que o ministro da Justiça, Zbigniew Ziobro, tem as suas ideias, mas que deve enviar uma proposta para ser analisada.

PUBLICIDADE

A possibilidade do governo da Polónia vir a abandonar a Convenção de Istambul levou milhares de pessoas a protestarem nas ruas da capital (Varsóvia), este fim-de-semana, por considerarem fundamental aplicar aquele tratado da União Europeia sobre prevenção da violência contra as mulheres.

O ministro da Justiça, Zbigniew Ziobro , afirmou que se trata de "uma invenção feminista que visa justificar a ideologia gay" e que incentiva demasiado o debate sobre sexualidade e género nas escolas.

Um porta-voz da Comissão Europeia, Adalbert Jahnz, disse à euronews que seria uma decisão lamentável: "Esta é uma convenção importante para lutar contra a violência que atinge as mulheres, algo que não deve ter lugar na sociedade europeia, pelo que devemos continuar a trabalhar juntos para a combater ".

O partido Lei e Justiça, que está no poder, nega que a decisão já tenha sido tomada, alegando que não é uma posição comum e refere que "o ministro tem as suas ideias, mas que deve enviar uma proposta para ser analisada".

Uma especialista em direitos humanos, Iverna McGowan, disse à euronews que "há uma tentativa de criar confusão, mas devemos ser claros".

"Não há nada controverso num tratado cujo objetivo principal é permitir que as mulheres vivam as suas vidas com dignidade, livres de violência. Se essa questão estiver em debate, penso que toda a Europa deve pressionar seriamente o governo polaco a respeitar esta convenção”, acrescentou.

A Polónia ratificou a Convenção de Istambul em 2015, mas a proximidade do regime ultraconservador com a Igreja Católica tem levado a um viragem para promover o que consideram ser os valores familiares tradicionais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polónia quer sair da Convenção de Istambul

"Uma Polónia cada vez mais dividida"

Vitória de Duda deverá alimentar contenda Polónia-UE