EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Portugal vai apostar na gestão da crise social da União Europeia

Portugal vai apostar na gestão da crise social da União Europeia
Direitos de autor FRANCOIS LENOIR/
Direitos de autor FRANCOIS LENOIR/
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma das prioridades do governo português deverá ser a distribuição o mais rapidamente possível dos fundos do novo orçamento da União Europeia, disse Nicoletta Pirozzi, analista de Assuntos Europeus no Instituto Affari Internazionali.

PUBLICIDADE

Depois de ter recebido a batuta da Alemanha para a presidência rotativa da União Europeia, o governo português terá de provar os seus talentos de coordenação já no final de janeiro.

Durante a visita a Lisboa, terca-feira, Charles Michel disse que vai convocar em breve uma videoconferência dos líderes do Conselho Europeu sobre a crise da Covid-19.

Uma das prioridades do primeiro-ministro português, António Costa, deverá ser a distribuição o mais rapidamente possível dos fundos do novo orçamento da União Europeia, disse Nicoletta Pirozzi, analista de Assuntos Europeus no Instituto Affari Internazionali (IAI, Itália), em entrevista à euronews.

Nicoletta Pirozzi/analista IAI (Itália): Há a tarefa muito difícil que é gerir a crise, incluindo a vacinação em toda a Europa, decisões unilaterais sobre o possível encerramento de fronteiras e assim por diante. E, ao mesmo tempo, também tem de enfrentar as consequências económicas da crise com a implementação do Fundo Próximo Geração União Europeia. Atualmente, a prioridade é garantir que todos os Estados-membros apresentarão os planos de investimento em tempo oportuno e que haverá um processo harmonioso de aprovação na Comissão e no Conselho europeus.

Isabel Marques da Silva /euronews: A anterior presidência da Alemanha era de centro-direita, o governo português é de centro-esquerda e quer que uma das suas marcas seja melhores direitos sociais e laborais na Europa. Quais são as expectativas para a Cimeira Social, em Maio?

Nicoletta Pirozzi/analista IAI (Itália): Penso que este programa se concentrará muito na implementação do Fundo Próxima Geração União Europeia, em particular nas duas prioridades: inclusão digital, por um lado, transição climática, pelo outro. Penso que a cimeira de maio visa concretizar as medidas do Pilar Europeu dos Direitos Sociais, adotado em 2017, e também tentar implementar o próximo plano da Comissão Europeia sobre a Europa Social, com enfoque específico no emprego, nos direitos sociais mas também na saúde, que será abordada especificamente no dimensão social.

Isabel Marques da Silva /euronews: Haverá muitas cimeiras: com os Estados Unidos, com a África e com a Índia. Qual é a relevância dessas cimeiras em termos de resultados concretos?

Nicoletta Pirozzi/analista IAI (Itália): A nível europeu, e especificamente para esta presidência, a ideia principal é fazer renascer o multilateralismo neste período difícil, tentando alavancar na nova posição da administração dos EUA. Por outro lado, tentará desenvolver o máximo possível de novas parcerias estratégicas com atores cruciais para a União Europeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tratado de Maastricht mudou a UE há 29 anos

Rússia continua ataques a Kharkiv enquanto tropas ucranianas recuperam terreno

Geração Z entra em cena nas eleições europeias. Conheça alguns dos jovens candidatos