EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Hungria compra vacina russa face aos atrasos na UE

Hungria compra vacina russa face aos atrasos na UE
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da SilvaSandor Sziros
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Hungria já vacinou cerca de 150 mil pessoas, o que representa 1,5% por cento da população, usando as vacinas da Pfizer-BioNtech ao abrigo do programa da União Europeia.

PUBLICIDADE

A Hungria justifica a aquisição de vacinas contra a Covid-19 à Rússia, e eventualmente à China, com o facto de não haver a eficiência desejada no programa conjunto para a União Europeia liderado pelo executivo comunitário.

O chefe da diplomacia da Hungria, Péter Szijjártó, disse em entrevista à euronews que a estratégia da Comissão Europeia é demasiado lenta, o que levou o governo a concluir um contrato para obter dois milhões de doses da vacina russa SputnikV.

“O fabricante ao qual a União Europeia deu uma forte prioridade está a entregar mais vacinas aos EUA, ao Reino Unido e a Israel em comparação com as entregas que feitas nos Estados-membros da União Europeia. Isso é um facto e penso que deveria haver uma explicação sobre isso até certo ponto", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria.

"Também vemos que o Reino Unido está a usar a vacina fabricada pela britânica AstraZeneca para vacinar os seus cidadãos. A Agência Europeia de Medicamentos ainda não aprovou essa vacina, o que tambem deveria ser objeto de explicação. No meio desta espera percebemos que foram alardeadas altas expectativas sobre as vacinas, mas as entregas são muito mais lentas e em menor quantidade do que deveriam", acrescentou Péter Szijjártó.

A Comissão Europeia já exigiu que fossem cumpridos os prazos de entrega tanto pelo consórcio Pfizer-BioNTech como pela AstraZeneca.

Qualidade de vacinas do leste

A Hungria já vacinou cerca de 150 mil pessoas, o que representa 1,5% por cento da população, usando as vacinas da Pfizer-BioNtech ao abrigo do programa da União Europeia.

Devo dizer que eu, que tenho 42 anos, fui vacinado durante toda a minha vida com vacinas produzidas no leste europeu.
Péter Szijjártó
Ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria

A vacina russa poderá ser encarada com maior ceticismo pela população por questões de qualidade, o que não preocupa o governo.

“Não importa de onde vem a vacina. Para mim, a única coisa que importa é se recebe a aprovação do regulador nacional ou do regulador europeu. Penso que essa é a questão principal. Devo dizer que eu, que tenho 42 anos, fui vacinado durante toda a minha vida com vacinas produzidas no leste europeu”, afirmou o ministro.

O programa de aquisição da União Europeia só proíbe contratos unilaterais dos Estados-membros com as empresas com as quais negoceia, mas há um forte sinal político quando um país recorre a outros fornecedores no mercado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Concertos e festivais incertos na Hungria

Sanofi quer produzir 100 milhões de vacinas este ano

Hungria e Polónia ignoram ultimato sobre orçamento da UE