EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Sanofi quer produzir 100 milhões de vacinas este ano

Afrancesa Sanofi vai produzir a vacina da Pfizer-BioNTech na fábrica de Frankfurt, na Alemanha
Afrancesa Sanofi vai produzir a vacina da Pfizer-BioNTech na fábrica de Frankfurt, na Alemanha Direitos de autor Mary Altaffer/AP
Direitos de autor Mary Altaffer/AP
De  Teresa Bizarro
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A farmacêutica francesa vai produzir a substância da Pfizer-BioNTech numa tentativa de ultrapassar a crise espoletada com os atrasos nos fornecimentos previstos para a União europeia

PUBLICIDADE

100 milhões de infetados com Covid-19 desde o início da pandemia em todo o mundo. A fasquia foi ultrapassada nas últimas 24 horas e com isso aumenta a pressão para incrementar o processo de vacinação. A Sanofi anunciou vai começar a produzir a fórmula do consórcio Pfizer-BioNTech. A farmacêutica francesa não conseguiu desenvolver uma versão própria da vacina, mas não quis ficar de fora do processo. Objetivo: aliviar o pânico pela falta de vacinas contra a COVID-19 na União Europeia.

Bruxelas está a ser pressionada a esclarecer se os atrasos no fornecimento das substâncias vão continuar. A União Europeia apela à "transparência" das empresas farmacêuticas e quer controlar a exportação de doses produzidas no bloco.

Nas palavras de Eric Mamer, porta-voz da Comissão Europeia, "não se trata de bloquear; Trata-se de saber o que as empresas estão a exportar ou vão exportar para mercados fora da União Europeia"

No Reino Unido, outra definição de transparência. O ministro britânico da saúde diz que não é tempo de ser protecionista. 

"Gostaria de apelar a todos os parceiros internacionais para que, de facto, cooperem e trabalhem em estreita colaboração. Penso que o protecionismo não é a abordagem correta no meio de uma pandemia," diz Matt Hancock.

Na Alemanha, o Governador da Baviera alerta para as consequências dos atrasos no calendário de vacinação. Para Markus Soeder "a vacinação está a tornar-se um problema real" pela falta de vacinas. "Está a avançar-se muito mais devagar do que se poderia e psicologicamente está também a transformar-se num fardo," afirma.

Em plena crise, uma boa notícia. Um medicamento retroviral normalmente utilizado para tratar o cancro mostrou ser 100 vezes mais eficaz do que as substâncias atualmente utilizadas para controlar a doença.

O medicamento é fabricado em Espanha, está ainda a ser testado apenas em ratos, mas parece impedir a reprodução de todas as variantes do coronavírus.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Hungria compra vacina russa face aos atrasos na UE

Chuva de críticas contra atraso no fornecimento das vacinas da Pfizer

Berlusconi e a Europa: um ano após o desaparecimento de um líder que mudou a UE