EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Frontex deixa de colaborar com Hungria na gestão de asilo

Frontex deixa de colaborar com Hungria na gestão de asilo
Direitos de autor Matthias Schrader/AP
Direitos de autor Matthias Schrader/AP
De  Isabel Marques da SilvaChristopher Pritchard
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Frontext tenta, assim, mostrar que só pode agir nos países que cumprem a lei, mas está ela mesma envolvida num escândalo sobre práticas semelhantes à húngara na fronteira marítima greco-turca.

PUBLICIDADE

A Frontex (Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira) optou por deixar de trabalhar na Hungria porque o governo húngaro continua a recusar processar os pedidos de requerentes que poderiam ter direito a asilo, reenviando-os para outros países, tais como a Sérvia.

Essa prática é ilegal segundo um acórdão do Tribunal de Justiça da União Europeia, emitido em dezembro passado.

O executivo comunitário concorda que a Frontex não tem condições para funcionar neste Estado-membro, disse Ylva Johansson, comissária europeia dos Assuntos Interno: "Penso que a Frontex tomou a decisão certa ao suspender o apoio que dava na fronteira húngara". 

"É muito importante que os Estados-membros, efetivamente, respeitem o direito de pedir asilo por parte de pessoas que cumprem os critérios para esse efeito. Se os requerentes não tiverem os requisitos para obter asilo devem ser reenviados à origem, mas todos têm o direito de se candidatarem a asilo", acrescentouYlva Johansson.

Uma organização de direitos humanos na Hungria também concorda com a decisão, mas alerta para a prática continua destes crimes.

"A sentença foi proferida em meados de dezembro de 2020 e, desde então, a polícia húngara continua a realizar essas expulsões. Segundo os dados da própria policia, já são mais de quatro mil casos", afirmou András Léderer, da Comissão de Helsínquia da Hungria.

O governo húngaro reagiu à decisão da Frontex numa mensagem no Twitter, queixando-se de falta de ajuda da agência desde o início. Por outro lado, garante que continuará a defender as fronteiras do país, que são também parte da fronteira externa da União Europeia.

A Frontext tenta, assim, mostrar que só pode agir nos países que cumprem a lei, mas está ela mesma envolvida num escândalo sobre práticas semelhantes à húngara na fronteira marítima greco-turca.

O Serviço Anti-fraude da União Europeia está a investigar essas alegações, que foram sempre negadas pelas Frontex.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Instituições da UE tentam reabrir rádio Klubrádió na Hungria

PP reúne milhares em Madrid contra Pedro Sánchez no lançamento da campanha para as europeias

PM palestiniano quer "vaga" de países a reconhecer o Estado da Palestina