"Estado da União": Regressou o "amigo-aliado" norte-americano

"Estado da União": Regressou o "amigo-aliado" norte-americano
Direitos de autor John Thys/AFP or licensors
De  Isabel Marques da SilvaStefan Grobe
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Stefan Grobe entrevistou o embaixador interino dos EUA na NATO, Douglas Jones, sobre os desafios de reposição militar norte-americana na era pós-Trump.

PUBLICIDADE

A videoconferência dos ministros da Defesa da NATO, esta semana, foi a primeira na qual participou a nova administração norte-americana do presidente Joe Biden. Para os europeus foi o regresso ao diálogo com pessoas amigáveis e com ideias semelhantes.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, realçou como esse entendimento é fundamental na decisão sobre a retirada das tropas ocidentais do Afeganistão, num momento em que aumenta a violência sectária.

"Fomos para o Afeganistão juntos depois dos atentados de 11 de setembro. Tomamos decisões em conjunto sobre como ajustar a nossa presença e também tomaremos a decisão em conjunto sobre quando será o melhor momento de sairmos", disse Jens Stoltenberg.

A NATO tem uma missão de dez mil soldados no Afeganistão, mas o ex-presidente Donald Trump decidiu retirar as tropas dos EUA até 1 de maio, depois de um acordo com os rebeldes talibã, algo que agora está a ser estudado pelo governo de Biden.

Este tema está em destaque no programa, tendo Stefan Grobe entrevistado o embaixador interino dos EUA na NATO, Douglas Jones.

Stefan Grobe/euronews: O presidente Biden agiu rapidamente no sentido de restaurar a imagem norte-americana na cena internacional e de “reconquistar a posição de liderança”. Como isso se desenrolará ao nível da NATO?

Douglas Jones/embaixador interino dos EUA na NATO: O presidente Biden está fortemente empenhado em reavivar as alianças dos EUA e a NATO está, efetivamente, no topo da lista. Os aliados da NATO enfrentam uma longa e crescente lista de ameaças. A NATO é, efetivamente, mais relevante do que nunca na sua história. Ainda temos uma Rússia agressiva, temos uma ameaça persistente do terrorismo, estamos a enfrentar ameaças em termos de ataques híbridos e cibernéticos e também enfrentamos desafios face a uma China cada vez mais assertiva. Portanto, os Estados Unidos, reconhecem que não podem enfrentar sozinhos todos esses desafios, como não pode qualquer outro aliado, de forma individual.

Stefan Grobe/euronews: Uma decisão controversa do antecessor de Biden foi a retirada das tropas das bases na Alemanha, que já foi arquivada. Ainda assim, está em curso uma revisão geral da presença militar dos EUA em todo o mundo. Sem antecipar essa revisão, qual é a importância de ter tropas dos EUA estacionadas na Europa, em particular na Alemanha, em termos dos interesses da segurança nacional dos EUA?

Douglas Jones/embaixador interino dos EUA na NATO: Como disse, esta revisão está em curso e é abrangente, não é apenas sobre a Europa, é sobre o posicionamento das tropas norte-americanas em todo o mundo. No entanto, a presença dos EUA na Europa continua a ser importante, porque os Estados Unidos estão empenhados no seu papel na NATO. Estamos empenhados na segurança transatlântica e esperamos que todos os aliados contribuam para essa segurança comum. Uma das formas através das quais os Estados Unidos fazem isso é mantendo as suas tropas na Europa.

Stefan Grobe/euronews: O assunto mais urgente da NATO, atualmente, é o aumento da violência no Afeganistão. Qual é a estratégia do presidente Biden para esse país?

Douglas Jones/embaixador interino dos EUA na NATO: Essa é uma discussão que está a ser feita entre os aliados da NATO, neste momento, e nenhuma decisão foi ainda tomada sobre o posicionamento da força dos EUA. Os EUA e todos os aliados da NATO estão empenhados em garantir que o Afeganistão não se torne novamente uma base para o terrorismo, o que poderia ameaçar os EUA ou qualquer um de seus aliados.

Stefan Grobe/euronews: Uma ideia é deixar uma pequena força de contra-terrorismo no Afeganistão, onde ainda existem membros dos talibã, da Al-Qaeda e do Estado Islâmico. Essa é uma opção credível?

Douglas Jones/embaixador interino dos EUA na NATO: Reconhecemos que o processo diplomático em curso é a melhor hipótese de chegar a uma solução duradoura no Afeganistão e todos os aliados apoiam esse posicionamento. Mas não foi tomada nenhuma decisão neste momento sobre as possibilidades de reposiconamento do destacamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Explosões no Afeganistão matam pelo menos duas pessoas

Rasmussen: "Não devemos esperar um retorno aos tempos de Obama"

Von der Leyen não quer trabalhar com "amigos de Putin" no Parlamento Europeu