Bruxelas apresenta estratégia para combater crime organizado

Bruxelas apresenta estratégia para combater crime organizado
Direitos de autor MANAN VATSYAYANA/AFP
Direitos de autor MANAN VATSYAYANA/AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Comissão Europeia apresentou uma nova estratégia para combater o crime organizado e o tráfico humano, incluindo uma proposta para começar a negociar um acordo de cooperação com a Interpol para reforçar a troca de informações.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia apresentou uma nova estratégia para combater o crime organizado e o tráfico humano, incluindo uma proposta para começar a negociar um acordo de cooperação com a Interpol para reforçar a troca de informações.

Em termos de tráfico humano, em 2017 e 2018 houve mais de 14 mil vítimas na União Europeia, 50% das quais cidadãos da UE. 72% das vítimas são mulheres ou meninas. 92% foram traficadas para exploração sexual.

O vice-presidente da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, diz que a Europa está preparada para ganhar esta guerra. "Não há dúvidas de que as drogas ilegais e o tráfico de seres humanos são duas áreas particularmente preocupantes, mas não são as únicas. As nove maiores atividades criminais na Europa geram cerca de 140 mil milhões de lucros, cerca de 1% do PIB da União. Portanto, isto é algo que não podemos negligenciar, que não podemos ignorar, que temos de encarar", sublinhou.

A nova estratégia vai ser implementada entre este ano e 2025, com o objetivo de combater o crime online e offline e apoiar as vítimas.

A Comissão também vai organizar uma campanha de comunicação, em conjunto com os Estados-membros e a sociedade civil, destinada a setores e ambientes de alto risco, inclusive para exploração sexual.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comissão Europeia quer dar prioridade à luta contra o tráfico de droga

Líderes da UE sob pressão de Zelenskyy para reforçar as defesas aéreas da Ucrânia

Debate sobre o futuro do Pacto Ecológico reacende profundas divisões