EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Produtores questionam reforma da Política Agrícola Comum

Produtores questionam reforma da Política Agrícola Comum
Direitos de autor JOHN THYS/AFP
Direitos de autor JOHN THYS/AFP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Medidas não geram consenso e não animam alguns agricultores

PUBLICIDADE

A reforma da Política Agrícola Comum (PAC) está em curso. Uma das medidas-chave do novo projeto passa pela implementação dos chamados pagamentos ecológicos, denominados "eco-regime."

Trata-se de prémios para os produtores mais empenhados em operações "eco-friendly."

Na Bélgica, os agricultores visados fizeram contas e os resultados não parecem ser animadores.

"Para mim, está a avançar muito rápido, demasiado rápido e não estou preparada para isso. Eles explicam-nos as coisas, mas precisamos de medidas. Precisamos de colocar tudo no devido lugar e há muitas mudanças, com orçamentos que estão a ser significativamente reduzidos. No caso da nossa quinta perdemos 10 mil euros de um ano para o outro. E temos compensação com os eco-regimes, mas a compensação nunca cobrirá a perda de 10 mil euros porque teremos rendimentos mais baixos e ninguém vai nos pagar pelos rendimentos", lamentou, em entrevista à Euronews, Dominique Lebrun, agricultora.

Para conseguirem os prémios, os agricultores podem valorizar os terrenos para que os solos capturem carbono, reduzir o uso de produtos fitossanitários ou promover a rotação de culturas para a biodiversidade.

À frente de uma quinta familiar na Valónia, Dominique Lebrun produz beterraba e batatas. Tem cerca de quarenta cabeças de gado e três galinheiros móveis. Mas não está satisfeita porque considera que se esquece o essencial: alimentar as pessoas.

"Não vai alimentar todos. É preciso alimentar o mundo, e a soberania alimentar também é essencial porque também vivemos o problema da Covid-19. Mas e se houvesse fome, o que aconteceria? Quando começámos o confinamento vinham todos aqui buscar os meus ovos. Costumávamos fazer fila aqui às 10:00. As pessoas tinham medo de não ter comida. Agora já se esqueceu isso. Se tivéssemos isso em mente, talvez pensássemos que temos que produzir e alimentar pessoas", acrescentou Lebrun.

Os "eco-regimes" representam 25% da ajuda direta aos produtores a partir de 2023. Para a Federação de Agricultura da Valónia o esquema é louvável, mas abrupto.

"O que é problemático na forma como foi conceptualizado é este modo de tornar algo obrigatório, dizendo: é voluntário e vamos envolver os agricultores. Mais uma vez, eles estão envolvidos de forma muito abrupta. Damos uma parte: 25%. Não sei quem concordaria atualmente em dizer: estou a gastar um quarto do meu salário a fazer algo de bom para o meio ambiente, sinceramente não sei que cidadão concordaria em fazer isso", referiu Isabelle Jaumotte, presidente da Federação de Agricultura da Valónia.

A Federação da Valónia destaca que o setor reduziu as emissões de gases com efeito de estufa em 20% nos últimos 30 anos. Por agora, os produtores estão a fazer cálculos para ajustar as novas medidas ambientais ao orçamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chipre celebra 50 anos da invasão turca

Soldados em Paris fazem treino de combate próximo antes dos Jogos Olímpicos

Mais de 300 migrantes chegam à Gran Canaria de barco em menos de 24 horas