Sombra da pobreza energética paira sobre a Europa

Sombra da pobreza energética paira sobre a Europa
Direitos de autor Julian Stratenschulte/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Com a subida descontrolada dos preços do gás e eletricidade milhões de famílias da União Europeia estão em risco de não conseguir aquecer as casas durante o inverno

PUBLICIDADE

Com o inverno à porta e os preços da energia a disparar de forma descontrolada estima-se que, em toda a Europa, cerca de 80 milhões de pessoas façam contas à próxima fatura do gás e eletricidade.

Os efeitos económicos da pandemia de Covid-19 podem agravar ainda mais a pobreza energética, como explicou, em entrevista à Euronews, Alexandre Viviers, especialista em energia na Sia Partners: "Existem pessoas que têm níveis de consumo significativos e que têm dificuldade em pagar [as faturas]. Haverá outras famílias que se auto privarão e desligarão o aquecimento, por exemplo, se quiserem comer. Por isso, haverá diferentes formas de pobreza energética."

Em diferentes países, o nível de rendimento individual e o tipo de energia utilizado ditarão a taxa de população afetada pela pobreza energética.

Com extremos a variar entre os 3% no Luxemburgo e os 30% na Bulgária, os Estados-membros têm dificuldades em encontrar uma abordagem comum para um problema que é de todos.

Os especialistas alertam que as soluções de curto prazo devem estar alinhadas com uma abordagem de longo prazo que contemple o abandono dos combustíveis fósseis assegurando, ao mesmo tempo, a segurança energética.

"Uma das alavancas de que os governos da União Europeia dispõem é, naturalmente, jogar com os impostos e as taxas que fazem parte das contas de energia. Mas essa não é a única opção. Também podem apresentar ajudas financeiras complementares à fatura de energia. Mas penso que esse debate será muito importante. O que pertence à fatura de energia e o que não pertence? Como queremos financiar, entre outras coisas, a transição energética, mas também algumas medidas sociais relacionadas com a pobreza energética", acrescentou Alexandre Viviers.

Enquanto os líderes europeus debatem soluções para a crise, alguns ativistas pedem que o acesso à energia seja reconhecido como um direito humano.

Apelam, igualmente, à União Europeia para criar legislação que proíba o corte de energia a casas num futuro a curto prazo, que atualmente afeta cerca de 7 milhões de casas por ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

União Europeia procura saída da crise energética

Nicolas Schmit nomeado cabeça de lista pelos socialistas para as eleições europeias

Euronews em força nas eleições europeias que vão marcar uma era