EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Quanto tempo é que será preciso para a Ucrânia aderir à UE?

A Ucrânia será chamada a realizar uma série de reformas para entrar para a família europeia
A Ucrânia será chamada a realizar uma série de reformas para entrar para a família europeia Direitos de autor European Union, 2022.
Direitos de autor European Union, 2022.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Bruxelas recomendou a atribuição à Ucrânia do estatuto de país candidato ao bloco comunitário

PUBLICIDADE

A Ucrânia está prestes a tornar-se um candidato oficial à adesão à União Europeia (UE).

O tão esperado avanço ocorre depois de a Comissão Europeia ter dado um parecer positivo à candidatura de Kiev e apresentar uma série de reformas e medidas que o país tem de adotar até ao final deste ano, em matéria de corrupção, lavagem de dinheiro ou liberdade de imprensa, por exemplo.

Embora globalmente positivo, o parecer de Bruxelas revela uma extensa lista de deficiências e divergências normativas que deixa antever longas e complexas negociações de adesão, durante as quais a Ucrânia tem de incorporar, gradualmente, todo o corpo da legislação da UE.

O objetivo final é tornar o país candidato capaz de resistir à concorrência económica dentro do mercado único e alinhar-se com os elevados padrões democráticos do bloco.

Estará a Ucrânia preparada? Quanto tempo é que levará todo o processo? Pode ser revertido?

A Euronews falou com dois especialistas em matéria de alargamento da UE, Richard Youngs, associado sénior do think tank Carnegie, e Ilke Toygür, investigadora do Instituto Alemão para Assuntos Internacionais e de Segurança.

Veja o vídeo acima conhecer mais detalhes sobre a candidatura da Ucrânia à UE.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líderes europeus e dos Balcãs Ocidentais reunidos em Bruxelas

O que une e o que divide diferentes fações de extrema-direita na UE?

Levantamento de sanções da Rússia pode exigir uma mudança de abordagem, dizem os analistas