UE: alcançado acordo político para redução do consumo de gás

Access to the comments Comentários
De  Euronews
As negociações para alcançar um entendimento foram tudo menos fáceis
As negociações para alcançar um entendimento foram tudo menos fáceis   -   Direitos de autor  Virginia Mayo/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved

**Os ministros da Energia da União Europeia (UE) chegaram, esta terça-feira, a um acordo político sobre a proposta, apresentada por Bruxelas, para a redução voluntária do consumo de gás natural de 15% até março do ano que vem.
**

As negociações sobre a proposta apresentada na semana passada pela Comissão Europeia foram tudo menos fáceis, só possíveis graças a uma longa lista de isenções - como a "situação geográfica ou física" dos países - e derrogações para alguns Estados-membros.

O objetivo é poupar gás, para que os 27 possam estar a postos para o caso de uma rutura total do fornecimento pela Rússia.

Bruxelas propôs o esforço para se acumular 45 mil milhões de metros cúbicos de gás, mas o sucesso da iniciativa dependerá, em grande parte, do rigor do inverno.

A comissária europeia da Energia, Kadri Simson, mostrou-se, no entanto, otimista: "os nossos cálculos iniciais indicam que mesmo que fossem usadas todos as isenções conseguiríamos atingir uma redução da procura que nos poderia ajudar a atravessar com segurança um inverno médio."

Pelo menos 12 Estados-membros rejeitaram a proposta inicialmente apresentada por Bruxelas.

Os pedidos de ajuste foram ouvidos, respondendo à contestação de países como Portugal ou Espanha.

"A presidência da União Europeia esteve a trabalhar, a ouvir todos os governos, para concluir que as realidades nacionais são diferentes, que os contributos podem ser diferentes e que as limitações também podem ser diferentes. De pouco serve que uma ilha poupe 15% no consumo de gás se não pode transferir esse recurso para os países do centro da Europa. Seria uma medida desproporcional que não tem qualquer sentido", sublinhou a ministra da Transição Ecológica de Espanha, Teresa Ribera.

O acordo político assenta na base da solidariedade com países como a Alemanha, altamente dependentes da energia russa.

Ainda esta segunda-feira, a gigante russa Gazprom anunciou um novo corte no fornecimento de gás para a Europa através do gasoduto Nord Stream 1, que liga a Rússia à Alemanha.

Os especialistas elogiam o acordo, o primeiro a nível da UE, uma vez que até agora as decisões sobre energia era uma competência nacional.

"O mais importante é que respeitemos os mercados e continuemos a permitir que o gás flua por toda a Europa e que, como 27 Estados-membros, mais países vizinhos da UE, trabalhemos juntos. Ao fazê-lo, usando todos os recursos que temos disponíveis do lado da oferta, do lado da procura, é a única maneira eficaz de combater o uso do gás como arma de guerra por parte de Vladimir Putin e sobreviver ao próximo inverno", sublinhou, em entrevista à Euronews, Ben McWilliams, investigador do think tank Bruegel.

Os 27 também concordaram com um mecanismo para acionar um “alerta da União”, tornando obrigatória a meta de 15% caso a Rússia feche mesmo a torneira do gás.

O Conselho da UE decidiu que não cabe à Comissão Europeia, mas aos Estados-membros, decidir quando é que pode ser ativado.