EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

"A Rússia vai perder a batalha energética"

Para Fatih Birol, as previsões de que este inverno será o mais duro não estão corretas
Para Fatih Birol, as previsões de que este inverno será o mais duro não estão corretas Direitos de autor AP Photo/Michael Probst
Direitos de autor AP Photo/Michael Probst
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Diretor da Agência Internacional de Energia em entrevista no The Global Conversation

PUBLICIDADE

A grande vítima de toda a crise energética que vivemos será mesmo... a Rússia. É o que salienta o diretor executivo da Agência Internacional de Energia, Fatih Birol, em entrevista à Euronews, na qual explica porque é que Moscovo deu o passo errado.

"A Rússia vai sair a perder desta batalha energética pela seguinte razão: antes da invasão, cerca de 75% do total de exportações de gás russo vinha para a Europa, assim como 55% das exportações de petróleo. A Europa era, de longe, o maior mercado, o maior cliente da Rússia. E a Rússia perdeu-o para sempre. E não é possível construir gasodutos rapidamente para enviar gás para a China ou Índia. No cenário mais otimista, são necessários dez anos para construir gasodutos desses", explica.

No entanto, para Fatih Birol, as previsões de que este inverno será o mais duro não estão corretas.

"Vamos chegar até fevereiro ou março sem grandes problemas porque conseguimos armazenar muito gás natural, graças às políticas europeias. Vamos usá-lo durante este inverno. Mas a questão é que o inverno seguinte pode ser ainda mais duro do que este. Quando chegarmos a fevereiro ou março, já teremos utilizado uma grande parte do gás que guardámos. Como é que vamos conseguir armazenar novamente, encher novamente as reservas? Essa é a grande questão, porque as condições do mercado não serão fáceis", considera.

Veja a entrevista na integralidade na mais recente edição do The Global Conversation, aqui na Euronews.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia lança mísseis em várias cidades ucranianas

Von der Leyen: "Não podemos parar ditadores mas podemos lutar pela democracia"

Futuro de Von der Leyen decidido em votação renhida no Parlamento Europeu