EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Escândalo de corrupção levará à revisão de regras para eurodeputados?

Os eurodeputados não podem aceitar presentes com valor superior a 150 euros
Os eurodeputados não podem aceitar presentes com valor superior a 150 euros Direitos de autor Cleared
Direitos de autor Cleared
De  Vincenzo GenoveseIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um especialista em direito da UE considera que o Parlamento Europeu é o elo mais fraco das três instituições, na comparação com a Comissão e o Conselho.

PUBLICIDADE

A vulnerabilidade das instituições da União Europeia (UE) a grupos de pressão volta a ser questionada. Em causa está o escândalo sobre o alegado suborno de alguns funcionários do Parlamento Europeu pelo governo do Qatar.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse, segunda-feira, que a situação é muito preocupante e admite que deverão ser revistas as regras existentes.

"Para nós é absolutamente crucial não só ter regras fortes, mas também que essas regras sejam aplicadas em todas as instituições e não permitir qualquer tipo de isenções. Portanto, é uma questão de transparência e de regras muito claras", afirmou, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

Um especialista em direito da UE considera que o Parlamento Europeu é o elo mais fraco das três instituições, na comparação com a Comissão e o Conselho.

A União Europeia tem um sistema de ética e integridade bastante sofisticado, bastante avançado, em termos das regras escritas. No entanto, contém muitas brechas, nomeadamente no que toca ao Parlamento Europeu.
Alberto Alemanno
Professor de Direito da UE

"É a única instituição que não tem, praticamente, nenhuma regra imposta aos seus representantes e há uma aplicação muito fraca dessas poucas regras éticas existentes. Um quarto dos nossos representantes, para além de levaram a cabo o seu trabalho legislativo, estão diariamente expostos a conflitos de interesses", explicou Alberto Alemanno, Professor de Direito da UE na HEC Paris, em entrevista à euronews.

"Tal afeta não só a imagem do Parlamento Europeu, mas também o processo de integração europeia e os interesses do bloco num momento de remodelação geopolítica sem precedentes", acrescentou.

No escândalo estão, alegadamente, envolvidos uma Vice-Presidente do Parlamento, um ex-eurodeputado e assistantes parlamentares. Rever as regras sobre grupos de pressão, conhecidos por lobistas, é fundamental para a reputação do bloco.

"A União Europeia tem um sistema de ética e integridade bastante sofisticado, bastante avançado, em termos das regras escritas. No entanto, contém muitas brechas, nomeadamente no que toca ao Parlamento Europeu. Assim, esperemos que tenha chegado o momento de ponderação para muitos líderes políticos que se têm oposto, em particular no Parlamento, à adopção de regras mais estritas", afirmou o académico.

Os eurodeputados não podem aceitar presentes com valor superior a 150 euros.

Estão obrigados a registar reuniões com lobistas apenas quando estão na capacidade de relatores de determinado projeto legislativo, mas ficam isentos dessa obrigação nos outros casos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente do Parlamento Europeu promete travar "inimigos da democracia"

Escândalo de corrupção no PE: eurodeputados falam em nuvem negra

Homem com "ligações à extrema-direita" detido por ataques com faca a crianças na Finlândia