EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Parlamento Europeu debate levantamento de imunidade de 2 membros

A presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola
A presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
De  Sandor ZsirosChristopher Pitchers, Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Parlamento Europeu debate levantamento de imunidade de 2 membros

PUBLICIDADE

O Parlamento Europeu iniciou, segunda-feira, o procedimento formal para, eventualmente, levantar a imunidade de dois eurodeputados que poderão estar ligados ao recente escândalo de corrupção.

A presidente Roberta Metsola deu seguimento ao pedido da justiça belga, que visa o eurodeputado belga Marc Tarabella e o italiano Andrea Cozzolino, ambos socialistas

Cozzolino abandonou, entretanto, a presidencia da delegação parlamentar para as relações com os países do Magrebe, que inclui Marrocos.

O parlamentar também fez parte da comissão que investiga a utilização do software de espionagem Pegasus, em que Marrocos está alegadamente envolvido.

O governo de Rabat nega qualquer ação ilegal para influenciar o Parlamento Europeu

"Queremos ter uma ideia do que aconteceu e alguns membros fazem parte da comissão de inquérito sobre o software de espionagem Pegasus, que também se relaciona com Marrocos", disse, à euronews Saskia Bricmont, eurodeputada belga dos Verdes.

"Suspeita-se que Marrocos tenha utilizado o software Pegasus contra a União Europeua, contra o presidente francês Macron e também contra o chefe do governo de Espanha. Alguns eurodeputados dessa comissão podem ser suspeitos de ter defendido os seus interesses particulares e também os interesses marroquinos. Existem duvidas", explicou.

Tanto Andrea Cozollino como Marc Tarabella, que foi vice-presidente da delegação parlamentar para as relações da Península Árabe (que inclui o Qatar), negam qualquer envolvimento em corrupção.

No caso do belga Tarabella, soube-se, entretanto, que não declarou uma viagem ao Qatar em 2020, paga pelo governo desse país, o que é uma violação das regras do Parlamento Europeu.

A comissão parlamentar de Assuntos Jurídicos vai ouvir os argumentos dos dois eurodeputadose. De seguida será votado o levantamento de imunidade em sessão plenária.

Se o processo for bem sucedido, as autoridades judiciais belgas poderão interrogar os dois suspeitos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eurodeputado Alexis Georgoulis envolvido em alegado caso de assédio

Cimeira da Paz na Suíça exige "integridade territorial" da Ucrânia

Euro 2024: Polícia dispara contra homem que ameaçava agentes em Hamburgo