EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Exposição imersiva recria perseguição a opositores da ETA

Dentro da caixa reina a escuridão absoluta, interrompida por luzes vermelhas intermitentes e símbolos de alvos pintados à mão
Dentro da caixa reina a escuridão absoluta, interrompida por luzes vermelhas intermitentes e símbolos de alvos pintados à mão Direitos de autor Euronews.
Direitos de autor Euronews.
De  Jorge LiboreiroIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Aqueles que ousavam criticar a ETA eram alvos de intimidação e assédio, pelo que uma exposição imersiva no Parlamento Europeu recorda esse ambiente.

PUBLICIDADE

Medo, ansiedade, desespero, isolamento, tristeza. Durante anos, estes sentimentos assombraram aqueles que ousaram falar contra o terrorismo da ETA, o grupo separatista armado do País Basco que atuou um pouco por todo o território espanhol.

Entre a sua fundação, em 1959, e a declaração de cessar-fogo, em 2011, a ETA, que significa "Euskadi Ta Askatasuna", (País Basco e Liberdade) levou a cabo uma campanha implacável para aterrorizar cidadãos, subjugar o Estado de direito e alcançar a independência do País Basco.

As ações, que incluíam tiroteios em plena luz do dia, carros armadilhados e raptos de pessoas de alto nível, eram contestadas por parte da popuação basca, que se mantinha em silêncio por medo de represálias.

Aqueles que ousavam criticar a ETA eram alvos de intimidação e assédio, pelo que uma exposição imersiva no Parlamento Europeu recorda esse ambiente, através de uma caixa negra que reproduz os gritos "ETA, mata-os!".

"Queria representar os sentimentos que os cidadãos do País Basco, e de outros lugares - mas especificamente do País Basco - que ouviam os gritos ameaçadores, que sofriam a pressão social e a ameaça direta de assassinato", disse José Ibarrola, o artista visual por detrás da exposição, numa entrevista à euronews.

Dentro da caixa reina a escuridão absoluta, interrompida por dois elementos marcantes: luzes vermelhas intermitentes e símbolos de alvos pintados à mão.

"Os símbolos dos alvos foram pintados nas casas e nas caixas de correio de pessoas ameaçadas. Algo parecdio com o que aconteceu aos judeus (na Alemanha nazi). Era marca, o estigma que os perseguia", disse o artista nascido em Bilbao.

"Mas esse símbolo do alvo estava em espaço público e podia ser visto pelos seus vizinhos e outros cidadãos para criar um sentimento de medo. Esse é o método terrorista: mata-se uma pessoa para aterrorizar 100 mil", explicou Ibarrola.

Na Europa somos muito privilegiados em comparação com o resto do mundo, mas penso que é muito importante que permaneçamos sempre vigilantes porque, de alguma forma, somos o farol do mundo. A Europa deve estar sempre atenta à ameaça do fanatismo
José Ibarrola
Artista visual, Espanha

A exposição presta homenagem à Basta Ya!, uma organização da sociedade civil que reuniu pessoas de todo o espetro político para pôr fim ao terror da ETA, fundada em 1997, meses após o rapto e assassinato de Miguel Ángel Blanco, um político conservador basco. 

O assassinato de Blanco foi um ponto de viragem na história espanhola e desencadeou uma onda de oposição contra o grupo paramilitar.

O Parlamento Europeu atribuiu o Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento ao Basta Ya! , em 2000, sendo que é o mais importante prémio da União Europeia para os direitos humanos. Sete anos mais tarde, a organização foi dissolvida. 

"A Europa deveria esforçar-se por preservar os princípios do pluralismo e da democracia. Na Europa somos muito privilegiados em comparação com o resto do mundo, mas penso que é muito importante que permaneçamos sempre vigilantes porque, de alguma forma, somos o farol do mundo. A Europa deve estar sempre atenta à ameaça do fanatismo", disse Ibarolla.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Exposição "A Ilha Interior" em Porquerolles viaja entre sonho e realidade

Exposição 'Nova vanguarda negra' ambiciona redefinir visões e perspetivas

"As Mulheres e a Mudança" em exposição no museu ARKEN da Dinamarca