EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Aprender e ensinar numa escola diferente

Em parceria com The European Commission
Aprender e ensinar numa escola diferente
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Aurora Velez
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A escola secundária de Põlva, na Estónia, é diferente das outras - e não apenas em termos de eficiência ambiental.

A escola secundária de Põlva, na Estónia, não é apenas eficiente em termos energéticos e praticamente nula em termos de pegada carbónica: é também uma escola especial no que toca à participação dos alunos nas atividades, como explica Marit Oimet, professora e gestora da vida escolar: 

"Penso que o nosso sistema, de forma geral, a forma como ensinamos aqui e como os estudantes estão a aprender, é diferente. É construído de forma diferente da maioria das escolas. Enquanto os outros têm aulas de 45 minutos, nós temos aulas de 70 minutos. Assim, o professor tem tempo para avançar com o tema. Também temos todos os dias um longo intervalo entre as aulas, a que chamamos tempos úteis. Temos uma vasta gama de oradores convidados que vêm de falar sobre andar de bicicleta, sobre a natureza, sobre trabalho voluntário ou sobre diferentes trabalhos que existem no mundo. É útil para alargar o ponto de vista dos estudantes. Portanto, penso que estamos a ajudá-los a tornarem-se cidadãos ativos, não apenas na turma, mas na vida real".

Temos uma vasta gama de oradores convidados que vêm de falar sobre andar de bicicleta, sobre a natureza, sobre trabalho voluntário ou sobre diferentes trabalhos que existem no mundo.
Marit Oimet
Professora e gestora da vida escolar na escola secundária de Põlva (Estónia)

"Pensamos que é importante capacitar os jovens", acrescenta Oimet. "Eles têm muita liberdade num certo sentido, quando querem um plano para dirigir uma atividade sobre um tema ou tópico especial. Por exemplo, no ano passado disseram-nos que gostariam de ter um dia sobre a saúde mental. E nós concordámos com a ideia, perguntámos o que queriam fazer, recolhemos as ideias, elaborámos o plano, e tivemos um dia de saúde mental".

"Tentamos envolver os alunos o mais possível e continuamos a dizer-lhes que são eles que fazem desta uma escola tão interessante", conclui.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Como se comparam os custos com infantários na UE?