Uma em cada quatro crianças da UE em risco de pobreza

Crianças da comunidade roma na Eslováquia em setembro de 2021
Crianças da comunidade roma na Eslováquia em setembro de 2021 Direitos de autor AP Photo/Gregorio Borgia
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Relatório mais recente da ONG Save The Children afirma que 19,6 milhões de crianças na UE estavam à beira da pobreza em 2021

PUBLICIDADE

O número de crianças à beira da pobreza na União Europeia cresceu 200 000 em 2021, atingindo 19,6 milhões, segundo ONG Save the Children.

Um relatório da ONG recentemente publicado afirma que uma em cada quatro crianças do bloco estava à beira da pobreza e da exclusão social no final de 2021 devido a uma combinação de factores, incluindo o custo de vida, a crise climática, e a pandemia de COVID-19, o que teria resultado numa perda de rendimentos para muitas famílias.

Eric Großhaus, gestor de advocacia responsável pela pobreza infantil e desigualdade social na Save the Children Alemanha, descreveu o número como "devastador" e instou o país, que representa mais de 10% das crianças que vivem em pobreza na UE, "a cumprir finalmente as promessas de combater a pobreza infantil".

A Roménia e a Espanha têm a percentagem mais elevada de crianças em risco de pobreza, com taxas que atingem 41,5% e 33,4% respectivamente. Entretanto, a Finlândia e a Eslovénia apresentavam as percentagens mais reduzidas, com percentagens baixas relativas a adolescentes.

A situação em alguns países para os quais a ONG recolheu dados mais recentes é susceptível de se ter tornado mais desoladora devido à invasão russa da Ucrânia e às consequências negativas que teve nos preços dos alimentos e da energia.

Quarenta por cento dos agregados familiares romenos, por exemplo, viram os seus rendimentos diminuir em 2022, em comparação com o ano anterior. Isto apesar das despesas terem aumentado 98%, de acordo com a ONG.

As crianças de origem migrante, refugiados, requerentes de asilo, crianças indocumentadas e não acompanhadas estão entre as mais atingidas. Também estão em risco as crianças de famílias monoparentais, famílias desavantajadas, crianças com deficiência e crianças pertencentes a minorias étnicas.

A Save the Children afirma que encara com esperança a implementação da Garantia Europeia da Criança a fim de prevenir e combater a exclusão social, garantindo o acesso efetivo das crianças a um conjunto de serviços-chave, incluindo educação e cuidados infantis gratuitos, educação gratuita, cuidados de saúde gratuitos, nutrição saudável e habitação adequada.

A proposta foi introduzida pela Comissão Europeia em 2019, tendo o Conselho adotado a recomendação proposta em Junho de 2021. Contudo, apenas 19 dos 27 estados membros do bloco apresentaram o Plano de Acção Nacional que lhes foi exigido que apresentassem até meados de março de 2022.

"A Garantia Europeia da Criança é a chave para enfrentar a crescente desigualdade e proporcionar um futuro melhor a milhões de crianças. Os governos devem assegurar-se de que aproveitam plenamente este quadro de luta contra a pobreza infantil e utilizar planos de acção nacionais para o implementar corretamente", disse a diretora da Save the Children Europe numa declaração.

"Chegou o momento de tomar decisões arrojadas e obter financiamento estratégico para expandir rapidamente a proteção e mitigar a queda das crises para as actuais e futuras gerações de crianças", acrescentou Ylva Sperling.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Oxfam: Cinco homens mais ricos do mundo duplicam fortunas desde 2020

Afeganistão mergulha na pobreza e venda de orgãos dispara

Macron enfrenta manifestantes na Feira de Agricultura de Paris