EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Opositores do regime de Putin debateram futuro da Rússia em Bruxelas

Mikhail Khodorkovsky, um dos principais opositores russos vive na Suíça e veio a Bruxelas
Mikhail Khodorkovsky, um dos principais opositores russos vive na Suíça e veio a Bruxelas Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Efi KoutsokostaIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Representantes da oposição e da sociedade civil russa pediram o apoio da União Europeia (UE) para ajudar a restaurar a democracia na Rússia do pós-guerra.

PUBLICIDADE

Mikhail Khodorkovsky, um dos principais opositores políticos do presidente russo, Valdimir Putin, foi um dos participantes num debate, organizado por membros do Parlamento Europeu, quinta-feira, em Bruxelas, para analisar formas de redemocratizar a Rússia.

O antigo homem de negócios, que esteve preso oito anos antes de se exilar na Suíça, reconhece que é difícil aumentar a resistência ativa contra a guerra na Ucrânia junto da população que vive na Rússia, por causa da propaganda.

"Os russos acreditam que mesmo que esta guerra tenha começado por engano e seja errada, a Rússia não pode ser o lado perdedor porque isso levaria à desintegração do país", explicou Mikhail Khodorkovsky à imprensa.

"É uma mensagem muito forte da propaganda de Putin e, embora esteja completamente errada do ponto de vista da realidade, é absolutamente eficaz. Na cabeça das pessoas, a queda do regime de Putin é igual à desintegração da Rússia. Isto é o mais perigoso. Por isso digo muitas vezes que a desintegração da Rússia é uma ameaça por causa das ações de Putin no poder e não porque Putin perca o poder", acrescentou.

Lições da Perestroika

O antigo primeiro-ministro lituano, Andrius Kubilius, agora eurodeputado do centro-direita, acredita que a mudança de regime na Rússia pode acontecer a qualquer momento, até mesmo antes de um cessar-fogo na Ucrânia que leve a um processo de paz, que poderá ainda demorar.

Mesmo a elite política da União Soviética tinha o entendimento claro de que, se as coisas continuassem como estavam a correr no tempo de Brejnev, a União Soviética entraria em colapso muito rapidamente, pelo que as elites iniciaram a reforma da Perestroika.
Andrius Kubilius
Eurodeputado, centro-direita, Lituânia

"A Rússia, penso eu, está a chegar a um beco sem saída no seu desenvolvimento se as coisas não mudarem. E se alguém me perguntar se vejo sinais de possíveis mudanças, respondo dimplesmente: ninguém via sinais antes do início da Perestroika, em 1985", explicou o eurodeputado à euronews. 

"Mas penso que, nessa altura, mesmo a elite política da União Soviética tinha o entendimento claro de que, se as coisas continuassem  como estavam a correr no tempo de Brejnev, a União Soviética entraria em colapso muito rapidamente, pelo que as elites iniciaram a reforma da Perestroika", acrescentou Andrius Kubilius.

As reuniões de dissidentes do regime têm vindo a ocorrer em várias locais. Cerca de 70 representantes de movimentos da oposição e anti-guerra reuniram-se, em Berlim (Alemanha), em abril, para elaborar uma declaração que foi já assinada por 30 mil russos, em defesa do fim da guerra.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Estado da União": O futuro da Rússia pós-Putin pode ser já preparado?

O regresso da Guerra Fria

Ativista italiana candidata às eleições europeias passa para prisão domiciliária na Hungria