EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

"Estado da União": O futuro da Rússia pós-Putin pode ser já preparado?

Destruição de uma barragem levou à retirada de milhares de pessoas no sul da Ucrânia
Destruição de uma barragem levou à retirada de milhares de pessoas no sul da Ucrânia Direitos de autor LIBKOS/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor LIBKOS/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Stefan GrobeIsabel Marques da Silva
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O aprofundar da cisão entre Polónia e União Europeia (UE) ao nível do Estado de direito, a evolução da guerra na Ucrânia e o futuro da Rússia quando o conflito terminar estão em destaque neste programa de resumo da semana política na UE.

PUBLICIDADE

Foi uma má semana para o governo populista polaco que viu o Tribunal de Justiça da União Europeia (UE) decidir contra a sua reforma judicial, considerando que viola a legislação comunitária.

A controversa reforma judicial não é a única forma escolhida pelo Governo polaco parar cimentar o seu poder. Aprovou, recentemente, uma nova lei destinada a combater a influência russa, que visa limitar o espaço de manobra dos opositores políticos, segundo os críticos.

Este facto suscitou a condenação da Comissão Europeia que, apenas dois dias após o acórdão, passou à ofensiva: "O Colégio concordou em dar início a um procedimento por infração, enviando uma carta de notificação formal em relação à nova lei sobre a comissão estatal para a análise da influência russa", anunciou Valdis Dombrovskis, vice-presidente do executivo comunitário.

Outro destaque da semana é a destruição de uma enorme barragem construída na era soviética, no rio Dnipro, que separa as forças ucranianas e russas, no sul da Ucrânia. 

A ruptura provocou inundações em toda a zona de combate, mais de 40 mil pessoas ficaram em risco devido às inundações, muitas residências foram evacuadas e várias pessoas morreram afogadas.

Já no Parlamento Europeu, membros da oposição russa, alguns deles exilados, reuniram-se para debater o futuro da Rússia pós-Putin e medidas para restaurar o regime democrático no país.

A euronews entrevistou Sven Biscop, diretor do programa "A Europa no Mundo" do Instituto Real Egmont para as Relações Internacionais, sobre esse cenário.

"Parece que ainda existe um forte apoio popular à guerra. Isso pode evoluir, mas, de momento, existe. Também é difícil ver quem poderá tomar a iniciativa de afastar Putin, porque isso seria, obviamente, um risco enorme. E penso que os únicos que o podem fazer são aqueles que estão no controlo da força militar. Por isso, de momento, penso que é melhor basearmos a nossa estratégia no cenário mais provável, que é o regime manter-se no poder e continuar a guerra", explicou.

(Veja a entrevista na íntegra em vídeo)

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia vai instalar armas nucleares táticas na Bielorrússia em julho

Opositores do regime de Putin debateram futuro da Rússia em Bruxelas

Tribunal decide contra a Polónia por contestar primado da legislação da UE