EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

UE vai rever o estatuto de proteção dos lobos

O regresso do lobo à Europa é um "perigo real" para o gado e para a vida humana, afirmou a Comissão Europeia.
O regresso do lobo à Europa é um "perigo real" para o gado e para a vida humana, afirmou a Comissão Europeia. Direitos de autor Christophe Gateau/AP
Direitos de autor Christophe Gateau/AP
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O regresso do lobo à Europa é um "perigo real" para o gado e para a vida humana, alertou a Comissão Europeia na segunda-feira, ao anunciar planos para rever o estatuto de proteção da espécie.

PUBLICIDADE

O executivo comunitário anunicou que vai entrar numa "nova fase" do processo de decisão sobre a eventual redução do estatuto de conservação do lobo, recolhendo dados relevantes das comunidades locais e dos cientistas, na sequência dos apelos crescentes dos agricultores europeus para os riscos de ataques.

"Precisamos de ter um conjunto atualizado de informações e dados sobre o estatuto do lobo para podermos tomar novas medidas", afirmou, segunda-feira, um porta-voz da Comissão Europeia.

Atualmente, esta espécie está estritamente protegida pela Diretiva Habitats, adoptada em 1992, que proíbe a captura ou o abate deliberado de lobos na natureza.

Mas as alcateias de lobos regressaram recentemente a regiões da UE onde estiveram ausentes durante décadas, atacando gado e alimentando tensões nas comunidades agrícolas e cinegéticas.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, foi pessoalmente afetada, no ano passado, quando o seu pónei de 30 anos, Dolly, foi morto por um lobo no nordeste da Alemanha.

"A concentração de matilhas de lobos nalgumas regiões europeias tornou-se um perigo real para o gado e, potencialmente, para os seres humanos", afirmou von der Leyen, numa declaração por escrito.

As derrogações à Diretiva Habitats permitem que os agricultores tomem medidas específicas para proteger as suas culturas e os seus meios de subsistência, como a utilização de armadilhas de "captura suave" para os lobos.

Von der Leyen instou as autoridades locais e nacionais a "tomarem medidas sempre que necessário", aplicando essas derrogações.

Agricultores contra ambientalistas

As comunidades agrícolas de toda a Europa apelaram à redução do estatuto de conservação dos lobos, em resposta à ameaça crescente que as alcateias representam.

Em novembro do ano passado, uma resolução do Parlamento Europeu apelou à Comissão para que apoiasse o setor agrícola, garantindo maior flexibilidade na proteção do gado contra ataques.

O Partido Popular Europeu, o maior grupo do Parlamento, tem liderado estes apelos, posicionando-se como defensor dos direitos dos agricultores nas principais reformas ambientais da UE.

A Áustria, a Bélgica, a Chéquia, a França, a Alemanha e a Itália estão entre os Estados-membros da UE que registaram um aumento dramático do número de unidades de gado mortas. Na Áustria, onde o número de animais mortos por matilhas de lobos terá aumentado 230% (680 casos), em 2021, várias regiões autorizaram, de forma controversa, o abate de lobos para contrariar o impacto negativo nos agricultores.

Os ambientalistas e as organizações não-governamentaisi (ONG) afirmam que estes abates violam a legislação da UE.

No início deste ano, 12 ministros do Ambiente da UE escreveram a Virginijus Sinkevičius, o comissário europeu para o Ambiente, instando o executivo a não "enfraquecer a proteção legal do lobo". 

A carta, iniciada pela Eslováquia, foi assinada pelos ministros da Bulgária, Alemanha, Grécia, Espanha, Irlanda, Chipre, Luxemburgo, Áustria, Portugal, Roménia e Eslovénia.

"A lenta recuperação das populações de lobo na UE deve ser celebrada e não temida", afirmou Reineke Hameleers, diretora-executiva do Eurogrupo para os Animais, em resposta ao anúncio da Comissão Europeia.

"Este sucesso continua a ser frágil, uma vez que a maioria das populações transfronteiriças de lobo na UE ainda não atingiu um estado de conservação favorável. Após o investimento de todos estes esforços e fundos, a redução do estatuto de proteção dos lobos não só afectaria o seu bem-estar, como também poria em risco a sua sobrevivência e os condenaria antes mesmo de poderem ser salvos", acrescentou Hameleers.

De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), o lobo encontra-se entre as espécies "menos preocupantes", tendo a sua população na Europa "aumentado em número e alargado a sua área de distribuição" desde a década de 1970.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Revisão do estatuto de conservação do lobo divide Parlamento Europeu

Lobos, ursos e linces protegidos na Eslovénia e Croácia com apoio da UE

Aumento dos lobos na Europa dá dores de cabeça à UE