EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Divisões sobre crise em Gaza prejudicam influência da UE no Médio Oriente

UE pediu "pausas e corredores humanit´arios" mas não um cessar-fogo na Faixa de Gaza
UE pediu "pausas e corredores humanit´arios" mas não um cessar-fogo na Faixa de Gaza Direitos de autor Hatem Ali/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Hatem Ali/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Shona MurrayIsabel Marques da Silva
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As divisões entre Estados-membros da União Europeia (UE) sobre a forma como Israel deve reagir na Faixa de Gaza, em resposta ao ataque do grupo palestiniano Hamas, a 7 de outubro, estão a causar danos na sua reptução, alertam os analistas.

PUBLICIDADE

Os analistas avisam que estão em causa a credibilidade quando a UE se pronuncia sobre leis da guerra e direito humanitário e o papel do bloco como futuro mediador da paz na região.

A ambiguidade da UE tem sido criticada pelos parceiros na região, incluindo o rei Abdullah da Jordânia, que falou de desvalorização das vidas palestinianas face às vidas israelitas.

A Alemanha foi um dos Estados-membros que, na cimeira da UE, na semana passada, impediu uma declaração unânime a pedir um cessar-fogo, tendo o apelo ficado por "pausas e corredores humanitários" no acesso à Faixa de Gaza.

"Penso que a Alemanha pode até ser mais pró-israelita na sua posição e proclamação do direito de Israel de se defender do que os Estados Unidos. E não creio que a posição dentro da Alemanha, que tem o apoio de toda a coligação governamental, possa mudar no curto ou médio prazo", disse Mujtaba Rahman, Diretor-executivo do centro de estudps Grupo Eurásia, em declarações à euronews.

"Isso não deverá acontecer, independentemente da forma como vai avançar a invasão terrestre em Gaza e das vítimas civis e da devastação que todos, provavelmente, veremos. Tal irá, claramente, abrir uma divisão dentro do Conselho Europeu entre os países que têm uma posição e perspetiva ligeiramente diferentes sobre o conflito e irá subtrair legitimidade e influência à diplomacia europeia", concluiu.

União na cimeira da UE, desunião na assembleia-geral da ONU?

Na assembleia-geral da ONU, no sábado, Alemanha, Áustria, Croácia e Chéquia foram os quatro países da UE que votaram contra uma resolução sobre um cessar-fogo na Faixa de Gaza.

A UE tem agora de lidar com uma espécie de desvantagem no que diz respeito aos países árabes e, de forma mais geral, com muitos parceiros no Sul do globo. (...) Mas não podemos esquecer que foi a UE que surgiu com a ideia de uma solução de dois Estados.
Pierre Viemont
Ex-diplomata do serviço de ação externa da UE

Houve 15 Estados-membros que se abstiveram e Portugal foi um dos oito que votaram a favor. Mas há analistas que consideram que o bloco ainda vai a tempo de se recompor.

"Ainda pode ter um papel a desempenhar. Tem, agora, de lidar com uma espécie de desvantagem no que diz respeito aos países árabes e, de forma mais geral, com muitos parceiros no Sul do globo, que perderam um pouco a confiança na diplomacia da União Europeia", explicou Pierre Viemont, ex-diplomata dos serviços de política externa da UE, à euronews.

"Portanto, temos de reconstruir isso, temos de os contactar a todos. Mas não podemos esquecer-nos que foi a UE que surgiu com a ideia de uma solução de dois Estados, com a necessidade de autodeterminação para os palestinianos e que deu apoio à OLP como representante do povo palestiniano", realçou Viemont.

A UE propõe que se realize, dentro de seis meses, uma Conferência Internacional de Paz para relançar as conversações sobre uma solução assente na coexistência de dois Estados, tal como prevê uma resolução da ONU, de 1974.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU diz que cessar-fogo humanitário é fundamental para salvar civis palestinianos

Abbas pede cimeira de emergência com líderes árabes

"Corredores e pausas humanitárias" para Gaza, pede a UE em cimeira de líderes